Idinando Borges
outubro 10, 2018

SER PROFESSOR – Por Áurea Vasconcelos Grossi

images

A vida é feita de emoções….E a minha, não poderia ser diferente. Outubro chega e me remete a muitas delas. Serei mais precisa, o Dia do Professor!  Penso em todos aqueles que passaram por mim e,pouco a pouco, vou percebendo  quantas marcas foram deixando e quanto de gratidão sobrevive pelo caminho que vou trilhando. A memória não me falha, permitindo que fatos, detalhes, curiosidadese características  desfilem por entre lembranças. É um incrívelmergulho num capítulo mágico e especial…Destaco alguns flashes para conduzir meu raciocínio..

Penso na jovem, pouco mais que adolescente, sobrevoando a floresta amazônica. Confesso meu deslumbramento diante da paisagem vista ali, pela primeira vez e, no entanto, tão fiel  àquela construída em minha mente, durante as aulas de geografia. O coração bateu forte acompanhando aquele tapete verde, compacto, cujos limites se perdiam no horizonte, guardando em si riquezas incontáveis e contornos sinuosos inimagináveis. Assim a via, em devaneios porque assim ela me foi apresentada pelo professor.

1986 foi marcado pela expectativa da passagem do cometa Halley. Uma visita que se repete a cada intervalo de 76 anos…Seria a glória, uma vez que o tempo não me daria outra chance. Um grande sonho! Das salas de aula guardei as histórias rememoradas por aqueles que o presenciaram  nos céus de Barbacena em ocasião anterior. Aprendi detalhes desta façanha astronômica.  Impressionava – me o charme da grande cauda. Para admirá – lo bem, estrategicamente, escolhi os melhores pontos de visão. Mas… o cometa nos ludibriou, passando ao longe sem  visibilidade para seus sedentos fãs. Uma decepção!

Alguns anos depois, em outra viagem, sobrevôo o Everest,  o pico mais alto do mundo, na cordilheira do Himalaia… Uma paisagem surpreendente.! Tão límpida, à minha frente!  Tão perfeita! Fazendo jus ao cognome “Deusa Mãe das Montanhas” e se oferecendo como um grande desafio aos que dela querem se aproximar. Um poderoso monstro sagrado!. Como teria sido bom dividir este momento com quem, vibrando em suas explanações, reafirmava sua crença de quesó a natureza, em sua grandiosidade, poderia nos proporcionar esta visão de proximidade com os céus!…Arrepiante!

Abrir este baú, hoje, às vésperas do dia 15,tem um único e indiscutível objetivo. Mostrar que cabe ao PROFESSOR, a grande tarefa desconstruir para o futuro. Sempre criando bases sólidas para as reflexões, experiências e conhecimentos que fortalecerão seus alunos nesta grande aventura que é o viver. As emoções emergirão por inteiro, quando assim for o momento.

A modernidade, com a invasão da globalização, insiste em traçar parâmetros diferenciados entre o professor do passado e o do presente. Concordo, sabendo que espaço e tempo passaram a ter outra conotação.  As comunidades são globais. Distâncias e fronteiras são eliminadas do contexto.  Tudo é monitorado pela informação, a inovação e a criatividade. As ferramentas são outras. A era digital é, certamente, o que se reveste da maior importância. A palavra de ordem é “estar conectado”… Sempre obedecendo ao impacto da velocidade, causando mudanças rápidas e imprevisíveis. Claro que o professor terá que se adaptar a este novo fluxo de sobrevivência do homem. Sua missão e sua tarefa, forçosamente, obedecerão a um outro ritmo.

Mas sua essência permanecerá a mesma, é talento que nunca se perde….

Ser professor é desenvolver um ofício movido pela alma, em direção a seres humanos, alimentado pelo dom inato da esperança de que um pouco de si  os acompanhará pelos tempos que virão…

É acreditar no futuro, enfrentando desafios  com  coragem e  energia, sendo discreto no agir, abrindo espaços para  o necessário respeito às diferenças e acolhimento às fragilidades…

É dominar o tempo e o eventual cansaço do exercício permanente, criando ou recriando imagens inspiradoras de que nada será mais grandioso do quea concretização de sonhos…

É viver a experiência da fé nascida da compreensão profunda do outro, olho no olho, se inserindo em afetos verdadeiros, provocando o crescimento pessoal, através da cumplicidade e confiança mútuas…

É escrever sua própria biografia a cada aula  em que se reinventa, se faz exemplo de ética, se coloca na sintonia  requerida pelo momento, obedecendo seu compasso, convicto do  mister de ser elemento transformador…

É celebrar a vida estendendo sempre um ramo de oliveira…