Idinando Borges
julho 16, 2018

E A BOLA NÃO  ROLOU…. DO Jornal Folha de Barbacena, por Áurea Vasconcelos Grossi

teste-padrão-sem-emenda-do-fundo-do-futebol-da-bola-de-futebol-vetor-82519259

Como  qualquer  moeda,  tudo na vida,  tem dois lados. A copa também! Os que ganham… os que perdem… Os que torcem… os que não torcem.. Desta vez,  a bola que rola, não rolou para os brasileiros…

Mas lágrimas rolaram… escancaradamente… ou discretamente…. ou quase que imperceptivelmente nascidas em muitos  corações… lágrimas daqueles que lutaram, com a alma, com o corpo,  com uma inimaginável velocidade….mas também, com excessiva valorização, muita vaidade e  pouca maturidade de alguns… lágrimas daqueles que, de perto, assistiam e tentavam reportar a plenos pulmões cada lance, para os que ficaram às mais variadas distâncias… lágrimas  de ingênua  incredulidade nas arquibancadas… ou em salas de projeção… ou em grupos sociais domésticos…

Triste? Sim!… Afinal, era fim de  sonho… fim de  muitos propósitos alentadores… A redondinha, sem vergonha, foi traidora… E muitos ainda pensavam estar com a bola toda…  ou  ser melhor de bola…  Enquanto isto ela irrequieta, arteira, gozadora, batia na trave… fugia da rede… ia célere  rumo ao fundo… de vez em quando, fingindo  consolo, provocava um escanteio…mas ainda assim, se mandava,  toda prosa, para outros ares auxiliada por Hasard,  ou pela muralha com nome de Lukaku,  ou pelos enormes braços espichados de um vigilante Courtois,  ou mesmo por habilidosas cabeçadas  que pareciam  levá – la aos céus…

Não se pode ignorar que  o diabo fica sempre atento às fraquezas alheias e aproveita muito bem as oportunidades…Não seria diferente com os demônios vermelhos!!!!

Mas,  com certeza,  isto não é o fim do mundo…

Todos têm o direito de vibrar… de se emocionar… mas não se pode colocar esperanças de sobrevivência num pequeno objeto… redondo… rolante… escorregadio… nem sempre obediente à desejadas regras direcionais… e, nem tão pouco, em onze pares de pés capazes de correr atrás da bola…

Deixando as paixões de lado, é hora  de cair na real. Aliás, isto já devia ter acontecido!!! Estamos em tempo de prorrogação para salvar a pátria amada! Temos pressa! Vamos nos posicionar para alcançar o melhor resultado!… Aquele que nos fará realmente felizes! E não será preciso guardar as camisas e demais apetrechos que colorem a vida de torcedores. Vamos direcionar  todo este arsenal verde – amarelo, colocando – o em prol de uma causa justa e necessária! Vamos inundar o país com suas cores ! Isto sim, é muito, mas muito mais importante! É preciso vestir a camisa de brasileiro e, com o mais autêntico patriotismo,  lutar em defesa do Brasil!  Lutar pelo que é verdadeiramente nosso!

Vamos nos livrar da inércia, do conformismo, da aceitação pacífica, da passividade, dos grilhões deste temor servil e soltar nosso brado retumbante para ver brilhar em raios fúlgidos, o sol da liberdade…  Apoiados neste cenário de cores, amores e muita garra  torna – se imperativo ir  em busca de todos os recursos capazes de nos livrar da podridão que anda nos envolvendo, da corrupção depravada e endêmica, da inversão de valores,  das personalidades doentias que não medem consequências de seus atos mais devastadores, dos desrespeitos constitucionais capazes de mutações voltadas para interesses próprios…dos riscos advindos da fragilidade de nossas até então, garantias fundamentais do judiciário… Tudo isto, sim, justifica muitas lágrimas! Um manancial de lágrimas!…

Brasil, gigante pela própria natureza que nos dá incontáveis riquezas, impávido colosso pelas suas dimensões,  pela sua original grandeza… Brasil! Seus lindos campos tem mais flores, seus bosques mais vida, é hora de lutar para salvaguardá – lo. É hora de deixar a pátria livre! É hora do basta! Nada de permanecer deitado em berço esplêndido! Afinal um filho teu, pátria querida, não foge a luta, nem teme  a clava forte…

Juntos, conscientes, somos  força! Vamos à luta! Ergamos nossa bandeira! Façamos uma barreira vigorosa contra todo e qualquer gesto inimigo! Só  assim poderemos continuar cantando, com a  mão no peito estufado de orgulho,

“Terra adorada, entre outras mil,

És tu BRASIL, Ó Pátria  amada

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

Pátria amada, BRASIL!”