Idinando Borges
novembro 26, 2017

Nem tudo são crimes. Há lírios florescendo no lamaçal carioca… por Hildegard Angel

Nem tudo são crimes. Há lírios florescendo no lamaçal.

As flores vicejam na área da Educação do município do Rio de Janeiro, com seu programa Orquestra nas Escolas, que se propõe, até 2020, a formar 80 mil instrumentistas, buscando fazer da música importante aliado dos jovens estudantes da rede pública do Rio. Só até o fim deste ano, 11 mil alunos cariocas terão recebido aulas de iniciação em música instrumental, prática de orquestra e coro, podendo escolher os instrumentos da preferência – viola, violino, contra baixo acústico, flauta doce, trompete, trombone, clarinete, percussão.

No dia 27, na Cidade das Artes, às 16 horas, será a estreia, em grande estilo, da Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca, integrada apenas por jovens músicos de escolas da rede pública dos quatro cantos do município, algumas em áreas conflagradas – Cidade de Deus, Chapéu Mangueira, Babilônia, Leme, Madureira.

No programa, um mix de obras de consagrados, como Villa-Lobos, Chico Buarque, Vinicius, Luiz Gonzaga, Pixinguinha, e até funk, que pra quem não sabe é inspirado no maculelê.

 

Nesse concerto de estreia, a jovem Sinfônica homenageará o maestro Antonio Carlos Jobim, que estaria completando 90 anos este ano

César Benjamin, o secretário municipal de Educação, acredita que a paz, a cultura e a boa convivência da comunidade carioca também podem se dar  “através dessa grande corrente de formação de novos músicos”.

Menos camburões, mais orquestras, mais música, mais juventude envolvida com projetos que lhe apresentem perspectivas de um futuro mais risonho.