Idinando Borges
abril 30, 2018

A saudação de Sérgio Ayres para dona Totoca

Totoca - Livro 057Boa noite a todos!

“É com muita alegria que estamos aqui reunidos para comemorar o centenário dessa pessoa praticamente indefinível em sua magnitude, que é a minha, a sua e de todos os nossa dona Totoca.

Este livro, simples e singelo, representa uma inversão no fundamento principal de um aniversário, que é o de dar os parabéns e ofertar uma pequena lembrança na forma de um presente ao aniversariante.

Na verdade, quem faz a festa são os convidados. Por isso, que um grupo de pessoas, capitaneado pela Delliane Coutinho, que sem dúvida é a herdeira principal de todo esse patrimônio cultural, amoroso e imenso construído por sua mãe, resolveu editar esta obra e presentear a todos os amigos de Dona Totoca em seu centésimo aniversário.

E o que ainda é melhor: nestas páginas estão pequenos e iluminados fragmentos da vida de dona Totoca. Quero, como organizador da obra, agradecer a todos os que participaram deste livro, que alguns até estão aqui presentes. Quero também homenagear o professor Newton Siqueira de Araújo Lima, que participou desta obra e que já não se encontra mais aqui conosco.

Entre as linhas deste livro, elaborados e escrito por seus amigos, com facilidade, encontramos as inúmeras facetas da dona Totoca: a mãe, a amiga, a professora, a menina, a centenária, a poeta, a oradora e, como ela sempre enfatiza, a católica.

Assim, vislumbramos também, um parágrafo ou num capitulo, o voo de um pássaro, o folhear de um missal, o latir de um cão, o cântico de um coral, o dobrado de uma banda e o delicado e esvoaçar de uma borboleta.

Nós, alegres como estamos nesta noite, temos a felicidade de compartilhar de sua vida, Maria Leite de Castro Coutinho, a dona Totoca.

E a todos vocês, que embelezaram esta festa, parabéns por aqui estarem e receberem tantos presentes, que são: este livro, a convivência  e a celebração da vida e da fé em algo tão grandioso como a Dona Totoca”. .

Totoca - Livro 039

Sérgio Ayres, reverenciando dona Totoca

Idinando Borges
abril 30, 2018

Lá vem a Noiva! Ela é linda!   Ela é a Paula!

2-246x300Foi na Matriz da Piedade, decorado por Rogério Paulino o casamento da empresária Paula Candian Cobra com o médico Urias Haddad. Boa parte da sociedade presente viu o cortejo de vinte casais, os padrinho, entrarem com o coral 4vertentes executando “Jesus a Alegria dos Homens” Quando chegou a vez da Paula, todos ficaram encantados com os pajens e damas na nave principal do templo. Foram dezessete sobrinhos dos noivos, que arrancaram suspiros dos familiares e convidados, pela graciosidade e desenvoltura. Enfim, Paula despontou e, todos encantados com sua beleza, diziam: “ela é linda”! Ela é filha de Mônica Aparecida Candian e de Alexandre Cobra Moreira.  O noivo carrega dos sobrenomes de prestígio: Castro e Haddad. Ele é filho de Maria de Fátima de Castro e Fauzi Haddad. Uma cerimônia tocante, pela religiosidade das famílias e a mensagem apropriada do padre  Danival Milagres. Saída do templo com direito à cinematografia dos efeitos dos “Sparkles”  e balões coloridos. A recepção foi Spazio Franato’s com decoração exuberante de Rogério Paulino e serviço muito elogiado do “Meu Buffet” de Belo Horizonte. Assinatura de Glória Eventos.

IMG_5521-109 (2)

Mesa de bolo e doces e os noivos

Idinando Borges
abril 25, 2018

Desembargador Nelson Missias é eleito presidente do TJMG

Desembargador tomará posse em junho para o biênio 2018/2020

noticia elei_oes tjmg

O desembargador Nelson Missias de Morais será o novo presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) no biênio 2018/2020. O magistrado foi eleito pelo Tribunal Pleno, em sessão conduzida pelo presidente, desembargador Geraldo Augusto de Almeida, nesta segunda-feira, 23 de abril, com 69 votos. Cento e vinte e quatro desembargadores participaram da votação. Veja o álbum no Flickr.

 

O presidente eleito afirmou que pretende atuar de forma colegiada, ouvindo servidores e juízes e procurando melhorar a estrutura no 1º e no 2º graus. O magistrado disse que o objetivo é garantir uma justiça mais célere e cidadã para a sociedade. “Quero começar ouvindo, para poder, em conjunto com os atores dessa grande estrutura, tomar as decisões certas”, afirmou

Desembargador Nelson Missias de Morais é o líder do Judiciário mineiro para o biênio 2018/2020

A votação para os cargos da mesa diretiva foi feita por meio de urnas eletrônicas cedidas pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). Além dos 69 votos que elegeram o novo presidente, a votação teve dois votos brancos e um nulo. O desembargador Carlos Levenhagen, que também disputou o cargo, recebeu 52 votos.A posse do presidente eleito será em 29 de junho.

Currículo

 

Natural de João Pinheiro, no Noroeste de Minas, o desembargador Nelson Missias de Morais formou-se pela Faculdade de Direito de Sete Lagoas. É pós-graduado em direito penal e processual penal pela Faculdade Vale do Rio Doce/Universidade Gama Filho, especialista em direito penal e processual penal pela Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) do TJMG e tem licenciatura plena em Graduação de Professores, pelo Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet).

Desembargador do TJMG desde 26 de abril de 2010, o magistrado conciliou a magistratura com o magistério, atuando como professor de direito penal e processual penal do Curso de Formação Inicial de Juízes Substitutos da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef). Também foi professor em outras instituições de ensino, como a Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (Fadivale). Atua na direção do Instituto de Ciências Penais do Estado de Minas Gerais; e integra a diretoria da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Como magistrado, atuou nas comarcas de Açucena, Mantena, Governador Valadares e Belo Horizonte. Presidiu a Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) no triênio 2007-2010 e foi secretário-geral da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), de 2011/2013. Atuou ainda como advogado e é escritor de diversas obras jurídicas. Também possui medalhas e condecorações.

Fonte: Assessoria de Comunicação do TJMG

Marcio Cleber
abril 25, 2018

Nomeado novo arcebispo de Mariana

A Nunciatura Apostólica no Brasil comunica que o Papa Francisco aceitou a renúncia ao governo pastoral da Arquidiocese de Mariana, apresentada por Sua Excelência Reverendíssima Dom Geraldo Lyrio Rocha. O Santo Padre nomeou Arcebispo de Mariana, Sua Excelência Reverendíssima Dom Airton José dos Santos, até agora Arcebispo Metropolitano de Campinas – SP.

arcebispo 3

Dom Airton é mineiro, nascido em Bom Repouso, na Arquidiocese de Pouso Alegre, aos 25 de junho de 1956. Cursou Filosofia na Faculdade do Ipiranga e Teologia na Faculdade Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Tem mestrado em Direito Canônico obtido na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.

Pertencente ao Clero de Santo André – SP, Dom Airton foi ordenado Bispo Auxiliar dessa diocese, aos 02 de março de 2002. Em 2004, foi nomeado Bispo de Mogi das Cruzes – SP. Tomou posse como Arcebispo de Campinas – SP, aos 15 de fevereiro de 2012. Exerce as funções de Grão-Chanceler da PUC-Campinas. Entre outras atribuições, foi Secretário do Regional Sul 1 da CNBB (São Paulo) e atualmente é Presidente do mesmo Regional. Foi também membro da Comissão Episcopal para os Tribunais Eclesiásticos de Segunda Instância.

Dom Geraldo exercerá a função de Administrador Apostólico até a posse canônica de Dom Airton, no próximo dia 23 de junho. A Arquidiocese de Mariana agradece a Dom Geraldo por seu serviço pastoral ao longo de quase 11 anos à frente desta porção do Rebanho de Cristo, dá as boas vindas a Dom Airton desejando-lhe feliz pastoreio nesta Igreja particular e invoca para ambos a abundância das bênçãos de Deus

Marcio Cleber
abril 19, 2018

Posto Avançado de Coleta de Sangue será implantado na Santa Casa de Barbacena

Doar sangue vai ficar com facilidade de acesso e mais comodidade para a população das microrregiões de Barbacena, Conselheiro Lafaiete e Congonhas. Barbacena terá um Posto Avançado de Coleta Externa – PACE que funcionária em um prédio anexo da Santa Casa de Misericórdia de Barbacena, uma concretização de um sonho antigo de toda a região, pois com este Posto, as pessoas não precisarão se deslocar até Juiz de Fora para fazer sua doação. Será um local específico para coleta do sangue que posteriormente será encaminhado para o Banco de Sangue do Hemominas, em Juiz de Fora, onde passará por todo processo de fracionamento por processo físico-químicos.

“Este é um importante momento para toda a nossa região. Começamos a discutir sobre a implantação do PACE no ano de 2013. Já no ano de 2016 foi assinado um termo de cooperação técnica entre a Prefeitura Municipal de Barbacena e o Hemominas, para que o Hemominas doasse todos os equipamentos e a cidade arrumaria os espaço físico e sua adequação para o funcionamento deste posto”, explicou Dr. José Orleans, secretário Municipal de Saúde Pública e Programas Sociais – SESAPS. Pontuou ainda que o recurso, da ordem de R$ 100 mil já foi conseguido junto ao Ministério da Saúde e repassado à Santa Casa para a execução da obra. “O projeto técnico está aprovado pelo Hemominas e foi encaminhado para a Vigilância Sanitária da Superintendência Regional de Saúde para avaliação final. Assim que for aprovado, será dado início à obra do Posto”, destacou.

O Posto Avançado de Coleta Externa – PACE funcionará no espaço onde atualmente está instalada a Agência Transfuncional da Santa Casa, em um prédio anexo à entidade. O local passará por todo o processo de reforma física. Quanto à Agência de Sangue passará a funcionar no prédio principal da Santa Casa, e este novo local já se encontra em processo de reforma. A Agência é onde ficam armazenadas as bolsas com hemoderivados que vem do Hemominas Juiz de Fora e serão utilizados pelos pacientes.

De acordo com José Orleans, a previsão é de quer o PACE entre em atividade no segundo semestre deste ano. “Todo o custeio de funcionamento será de responsabilidade do município de Barbacena. Vamos mobilizar uma grande campanha para que as pessoas adquiram o hábito de doar sangue continuamente e, assim, mantermos o Banco de Sangue do Hemominas com um ótimo estoque para atender a demanda da região”, disse.

Na avaliação da Diretora Assistencial da Santa Casa, Marcilene Dornelas, o Posto de Coleta é uma iniciativa que conta com a participação direta da Santa Casa de Misericórdia de Barbacena, SESAPS e Hemominas.  “O resultado do trabalho ampliará a capacidade de fornecer hemocomponentes para a população, através do aumento da doação de sangue. Atualmente, a Santa Casa tem um consumo de 200 bolsas/mês. Precisamos conscientizar e mobilizar a população que um doador pode salvar até quatro vidas com o simples ato de doar-se”, comentou.

Idinando Borges
abril 15, 2018

Registro de Áurea Flisch ; Brigadeiro e Shirlene Moura

29594520_2030451576968973_144553049466197072_n

Áurea Flisch

 

E na manhã dessa sexta 13 o Brigadeiro Moura entregou ao seu sucessor o cargo de comandante da Epcar. Numa cerimônia linda, sob os aplausos de uma plateia profundamente emocionada, o Brigadeiro que escreveu com carisma e afeto, um dos mais significativos capítulos da história da nossa terra, com um belo e brilhante discurso, se despediu de nós.
Só quem com ele e com a sua esposa, Shirlene, teve a oportunidade de conviver, sabe o quão relevante foi o trabalho deles em prol das causas sociais dessa cidade. Verdadeiros discípulos de Cristo no total comprometimento com o bem estar do próximo.
As Casas da Amizade do Rotary Club de Barbacena, tiveram a honra de poder contar com a presença assídua da querida Shirlene M B Moura. Uma mulher determinada que apoiou e abraçou os projetos das referidas instituições de ir ao encontro dos menos favorecidos pela sorte. Impossível mencionar todas as suas contribuições e todas as entidades por ela beneficiadas.
Foram dois anos de uma bonita e proveitosa parceria, um tempo que Deus nos concedeu para que a gente pudesse entender de amor e de solidariedade.
E a gente sabe que é necessário exercer a arte do desapego. Que nesse mundo tudo é transitório e permanente, porém, é difícil deixar ir sem sentir dor, aqueles que aprendemos a amar. Fica um vazio imensurável e a gente se pergunta: —– Por quê que a vida é assim?
Segue o seu caminho, casal Moura, pinte do azul de um céu de brigadeiro a vida de outros irmãos carentes que pelas forças das circunstâncias, estão sob o peso das nuvens cinza de um céu nublado. Plante nos campos de São José, a mesma semente que aqui vocês plantaram, e que já começa a dar flor…
Em nome das Casas da Amizade do Rotary Club de Barbacena, muito obrigada por tudo !
Nunca se esqueçam: —- Nossas portas estarão sempre abertas para recebê- los e nossas mãos sempre estendidas ao alcance das suas!
Hoje, o nosso nome é saudade…

??????????

A elegante delegação do Rotary Monte Mário com o brigadeiro Moura

Idinando Borges
abril 15, 2018

Ele,  O Brigadeiro do Ar José Aguinaldo de Moura Por Áurea Vasconcelos Grossi.

 

1

Brigadeiro Moura

O tempo é, incontestavelmente, o senhor dos destinos. A ele cabe conduzir existências, transformar sonhos e ideais, mensurar emoções, direcionar liberdades e experiências cotidianas. Desafiador, ele nos  envolve, provocando toda uma gama de  vivências.

No momento, estamos diante de um sentimento  contraditório que navega entre a felicidade e o pesar. Natural quando se trata  de despedidas!

Brigadeiro do Ar José Aguinaldo de Moura esteve entre nós por dois anos, comandando a Escola Preparatória de Cadetes do Ar.  Na matemática do tempo, foi um curto período, administrativamente obrigatório. Mas na  perspectiva do afeto, foi o suficiente para desencadear  relacionamentos fraternos com a comunidade de Barbacena, permitindo a todos conhecer uma personalidade marcante, ética, firme, capaz de equilibrar o rigor e a afabilidade na medida certa para garantir a segurança e o exemplo, tão necessários aos que ocupam posição superior.

Ao lado de sua querida esposa  Shirlene e de seus filhos, a vida social de nossa cidade se enriqueceu. Sempre presentes aos acontecimentos, ali estavam levando simpatia e alegria.

O tempo de Barbacena não foi apenas um ciclo de dever cumprido junto às forças armadas, nem tão pouco um tempo de brilho social. Foi muito além. Foi uma demonstração inequívoca de preocupação para com o próximo. De corpo e alma, se dedicaram aos mais necessitados, tanto no âmbito da própria EPCAr, recebendo diuturnamente jovens carentes, aos quais eram oferecidos, cuidados de saúde, higiene, educação intelectual, cívica e física. O mesmo fizeram,  em outros redutos da cidade, associando – se  a clubes de serviço e participando  de inúmeros movimentos voltados para várias instituições beneficentes. Um verdadeiro exercício de altruísmo e disponibilidade.

Um tempo de pródiga e  feliz convivência para todos nós.

Quase que imperceptivelmente, os meses se passaram. Missão cumprida indica ponto final. Fecha-se um ciclo. Momento de partir. E, com ele, o nosso pesar!  Não há como ser diferente!

Mas, logo de imediato, a nosso favor, a maturidade nos lembra que ” o tempo de permanência não importa. O que verdadeiramente conta é o que deixamos quando partimos”.

Entendemos assim que a amizade construída aqui será para sempre. Ficam os amigos e as boas e inesquecíveis lembranças. Que Deus lhes proteja nesta nova etapa!

Marcio Cleber
abril 12, 2018

Exposição de fotografia retrata 130 anos da imigração italiana a Barbacena

A nona edição da Feira Italiana de Barbacena inicia nesta quinta-feira, dia 12 e estenderá até o domingo, dia 15. Uma das atrações do evento é a exposição de fotografia montada na sede do Grêmio Recreativo da Colônia Rodrigo Silva, que pode ser visitada durante a realização da Feira. Uma excelente oportunidade para as pessoas conhecerem um pouco da trajetória dos 130 anos da imigração italiana em Barbacena. São fotos do álbum de diversas famílias italianas que nos remetem a um passado de grandes conquistas. Os organizadores convidam outras famílias que também levem suas fotos para enriquecerem ainda mais a Exposição. Um verdadeiro resgate da memória de uma parte importante da história da cidade.

1dd355f9-6bba-44f3-93ba-4e68ba3267a8 fab9ba0f-a2d7-4635-bbcb-d8b3792fd7ec

Barbacena foi a primeira cidade de Minas Gerais a receber oficialmente os imigrantes italianos, por volta do ano de 1886, duas nações, Brasil e Itália, um casamento perfeito. No início, vieram 25 famílias de origem do norte da Itália para a Fazenda do Facão (Sericícola) e posteriormente transferidas para a recém criada Colônia Rodrigo Silva. As atividades destes imigrantes envolviam principalmente a agricultura com destaque para o cultivo de milho, feijão, batatas e uvas (com produção de vinho) e junto com a posterior chegada dos imigrantes das várias regiões da Itália, construíram uma brilhante trajetória de luta e de conquistas. Seus descendentes continuam a escrever páginas desta presença marcante na cidade.

A Associação de Cultura Italiana de Barbacena – Casa d´Itália di Barbacena, surgiu para manter viva a cultura italiana na região e desenvolver a integração dos descendentes das famílias imigrantes do referente país com a comunidade regional. Nesta intenção, fomenta atividades para ampliar seus associados com objetivo desenvolver atividades para empoderar o grupo alvo de sua cultura ancestral.  Uma das grandes realizações da Casa d´Itália di Barbacena é a Feira Italiana, evento destinado a enaltecer a cultura italiana, acontecendo anualmente, momento em que divulga este trabalho.

A tradicional Feira Italiana acontece no Campo do Grêmio da Colônia Rodrigo Silva em uma realização de parceria entre a Casa D´Itália de Barbacena, a União Comunitária de Barbacena – UCB, o Grêmio Recreativo Rodrigo Silva e a Associação dos Moradores do Bairro Roman – AMBRA, contando com o apoio e patrocínio da Prefeitura Municipal de Barbacena, diversas empresas e cidadãos barbacenense e tem como patrocinador oficial a Regale Corretora de Seguros.

Programação

No dia 12 de abril haverá a tradicional pré-abertura com música ao vivo, às 21h, no Gino´s il Candelabro. Sexta-feira, dia 13, na Colônia, barracas com comidas e música – som mecânico. No sábado, dia 14, abertura oficial às 16h com a presença de autoridades e a participação da Banda de Música do 9º Batalhão da Polícia Militar, seguida da escolha do “Colonino” e “Colonina” (concurso infantil) e a noite será animada pela cantora Luma Goulart. A programação de domingo, 15, inicia-se com missa campal às 10h seguida de música Italiana ao vivo com Daniel Falzoni e Tamyres Brandão, Dança Folclórica do grupo Tarantolato, de Juiz de Fora, e às 14h apresentação do  “Colonino” e “Colonina” eleitos. Às 15h, reapresentação do Grupo de Dança Folclórica e encerramento, às 17h, show dançante com Luma Goulart.

A Escola Estadual Gabriela Ribeiro Andrada e Municipal Inês Piacesi participarão durante toda Feira com atividades culturais desenvolvidas pelos alunos, entre elas o desfile com roupas típicas para escolha do “Colonino” e “Colonina”.

Idinando Borges
abril 12, 2018

Militares da 13ª recebem Moção de Aplausos – A PM mais perto de você

??????????

O vereador Ewerton José Horta Junior e o Major Marcelos Reis

A Câmara Municipal de Barbacena realizou a entrega do Título “Moção de Aplausos”, em reconhecimento aos relevantes serviços prestados pela 13ª Região da Polícia Militar e pelo 9º Batalhão de Polícia Militar na Campanha Solidária “Mais Perto de Você”.

Os homenageados da noite foram: o idealizador da Campanha Coronel Jesus Milagres, que ao fazer uso da  agradeceu a homenagem ressaltando a importância do trabalho social da Polícia Militar na sociedade,  o Coordenador das atividades e Chefe do Núcleo de Comunicação Organizacional Major Marcelo Reis da Silva e a 3º Sargento Nilcéa Discacciati Castro, apoiadora e voluntária da Campanha.

??????????

Os vereadores Ewerton José Horta Junior e Vânia de Castro com os homenageados

A ação foi desenvolvida nos meses de julho e agosto de 2017, em parceria com instituições religiosas e empresas privadas em virtude das baixas temperaturas com o objetivo de levar aos moradores de rua e às pessoas em situação de vulnerabilidade social cobertores, agasalhos e alimento.

Além do apoio material, o grupo de voluntário levou uma palavra de esperança, orações e música, através de integrantes da Banda de Música do CAA-13.

Pastor Ewerton José Horta Junior, autor da homenagem, na ocasião também participou do projeto representando a Igreja do Evangelho Quadrangular e acompanhou de perto o trabalho realizado pela Polícia Militar que alcançou o objetivo proposto de levar além do apoio material, um pouco de calor humano aos mais necessitados.??????????

Idinando Borges
abril 8, 2018

Lúcido, calmo o olhar de jovem sobre o momento. Por Hilreli Alves

24991154_1748140498531895_7412279557121344858_n

06 de abril de 2018, o dia em que pela primeira vez na história, ou ainda, o dia em que nunca antes na história desse país, um ex-presidente foi preso(se for mesmo..). [Correção, o sexto. Link nos comentários] Um dia marcante e memorável. Eu acho muitas coisas curiosas, aflitivas e instigantes a respeito de tudo o que ocorre… Primeiro, como mesmo em meio a tudo ele ainda é o ‘candidato’ com a maior intenção de votos da população brasileira. Quem são as pessoas que ainda depositam sua confiança nele e porque o fazem? O que comem e onde vivem?

Dizer que é falta de informação com o assunto dominando todas as rodas de conversa e postagens na internet, chega a ser ingênuo. Mesmo com tudo podendo estar pautado pela distorção da fonte ou da própria pessoa. Afinal, hoje em dia ‘todos’ realmente contam o conto e aumentam vários pontos. Todo esse cenário não causa um estranhamento? No mínimo, interessante… De onde vem isso? Comé que pode?

Lula representa a política que não se renovou, a política que se sustentou através dos velhos trâmites e acordos, a política engendrada no jogo do sistema,… Contudo, Lula representa tb a política que incluiu, a política que trouxe dignidade a muitas famílias, a política que acabou com a fome no país. Uma atuação controversa e complexa pra se reduzir a uma conclusão restrita disso ou daquilo outro. É mais embaixo sim, gentes.

Nesses anos, por várias vezes li e ouvi a expressão “bolsa vagabundo” — por exemplo — e sobre isso, em especial, gostaria de relatar algo… Minha origem é humilde e cresci num bairro periférico da minha cidade, o São Pedro. Hoje é quase um centro fora do eixo, mas, qndo a gente chegou, lá em volta era tudo mato e algumas ruas pra baixo nem calçamento e esgoto tinha. Meu pai é pedreiro e minha mãe costureira e a vida inteira trabalharam e trabalham muito.

Lembro de quantas vezes vi meu pai virando massa debaixo, literalmente, de sol e chuva. Lembro do primeiro dinheiro que recebi na vida por um trabalho, 50 reais, ajudando meu pai a rejuntar piso numa casa na Boa morte. Lembro de quantas vezes minha mãe virou dias e noites costurando uniformes. Lembro também da primeira vez que fui receber o bolsa família pra gente na Caixa. Era 150 reais. Pouco? Talvez o mínimo suficiente para, pela primeira vez, eu abrir a geladeira e ver uvas e iogurtes. Como assim uva? Danoninho? Cê é louco? Todos da serie: “mês que nunca a gente compra”.

Fruta lá em casa era banana e maçã! Abacaxi e melancia só apareciam quando passava o caminhão fazendo promoção “compre 3 leve o balde”! ..kkkk cada k é uma lágrima(bem humorada..rs) Com o passar do tempo aquilo foi se ampliando, outras oportunidades foram surgindo no contexto do país e mais pequenos caminhos foram se tornando possíveis. Eram políticas públicas de inclusão social. Era a oferta de um peixe de quem não ensinava a pescar, alguns diziam. Falhas. Muitas! Não era perfeito, mas, era um início.
Parecia pouco, mas, era o tangível, era um esboço de equilíbrio. Era dignidade! Era uma transformação. Era um caminho à ascensão. Era um lugar mais adiante no horizonte. E eu não quero com esse relato tornar a poesia do meu olhar sobre a minha vivência um discurso de “rouba, mas faz”. Quero é tocar uma percepção diferente. Despertar o “e se fosse comigo? E se essa fosse a minha história?” Geralmente quem não entende ou resume a ‘foi mérito seu’, ou não sabe da missa a metade e tenta nivelar vidas diversas em pé de igualdade, como se fosse. Desculpa, não é. Claro que todos suam pra continuar a fazer girar todo o planeta. Mas, não façamos de conta que exceção é regra.

Dilma não sofreu a queda por pedaladas fiscais. Lula não está sendo condenado pelo triplex. Essa é a minha, atual, convicção. Essas análises técnicas, pinceladas de soberba, não contemplam a diversidade política que envolve a atuação e movimentação das peças de verdade. Água que corre entre as pedras… caça jeito! Quando o jogo convém e interessa ou por quem pode pagar por ele. O movimento que estamos acompanhando é reação às micro-revolucionárias-mudanças que eles provocaram nas estruturas. O “Que Horas Ela Volta?” da Anna Muylaert retrata muito bem esse nosso recente contemporâneo. Já viu? Assista!

É esse o incomodo que está sendo combatido. É sobre isso. É por isso que a casa caiu. E é pelo mesmo motivo que mesmo ainda com tudo há votos de confiança num cenário de descrença. É quem, um dia, alimentou de esperança muitos! É uma espécie de crédito furado ne? Concordo plenamente. Mas, entende o simbolismo firmado e construído do “abrir de geladeiras” país afora? Imagina pra quem onde ela estava vazia… Imagina pra quem nem tinha uma… Imagina não ter perspectiva porque o cenário não abriu seus olhos… Acontece. É real. Talvez mais perto do que você imagina.

Porém, a gente merece muito mais do que isso! Desculpa Lula, isso tudo é pouco, perto de todo o esquema de corrupção que continuou ativo. Repito, continuou. Merecemos mais! Não basta reconstruir um país sob jeito tão torto. É preciso mais! MAS, com o rumo que estamos tomando como um todo, parece que a direção é regredir para retomar o ponto e “começar de novo”. Só que voltar lá antes da democracia… Não, mores. Ta errado? Ta! Tem que ser revisto e reformulado? Tem! Mas esse caminho aí já vimos onde ele deu antes. Todo esse esforço fantasiado de combate a corrupção está combatendo é um pensamento. Um dia toda essa história vai ficar muito clara e tudo vai ser contado de um jeito diferente do que vemos por aí, por muitos. Não é um questionamento do resultado, é sobre a forma do meio. Se é pra passar o pente fino, passemos direito. Sem atropelar, direcionar ou negligenciar o contexto e a movimentação. Eu hoje não votaria no Lula. Mas, se for possível e preciso eu voto. E só quem vê sentido no “se for preciso” são os meus, ou os com habilidade empática para compreender a life diversa.

Ps.: Se não concorda não precisa se expressar! Mas se quiser pode… Talvez eu ignore ou converse, se notar afeto

City10 Internet - Idinando Borges