Idinando Borges
dezembro 31, 2017

Qual é a melhor época para visitar Veneza por Isa Discacciati

·Dicas práticasVeneza

Qual é a melhor época para visitar Veneza? Esta é uma das perguntas que mais recebo nos comentários do blog e nas redes sociais. Veneza é um sonho pra muita gente, e a insegurança na organização da viagem é normal, já que a cidade anfíbia é mesmo muito diferente de qualquer outro lugar que a gente conhece. Não dá pra dizer que em Veneza exista uma baixa temporada, a cidade tem sempre um bom fluxo de turismo.

Existem alguns períodos que considero melhores, mas a escolha da melhor época para viajar depende de muitos fatores como disponibilidade de férias e financeira, estação do ano (frio/calor), datas comemorativas, eventos, férias escolares etc. Cada período do ano

Janeiro – Fevereiro – Março

O inverno em Veneza é rigoroso. A proximidade com a laguna e o vento que sopra do Adriático faz com que a estação seja bem fria. Nesta época existe ainda a possibilidade de ocorrer o fenômeno da maré alta, que, ao contrário do que muita gente pensa, não é um grande inconveniente. Para uns pode não ser muito agradável, mas sem dúvidas, é uma experiência interessante. No dia 1º de janeiro, muitos museus, lojas e estabelecimentos ficam fechados.

Seis de janeiro é o dia da Epifania em toda a Itália. A tradição diz que no dia 6 uma velhinha passa para todas as crianças, assim como o Papai Noel. Se a criança foi boa durante o ano, a Befana (uma velha que parece mais uma bruxa) deixa alguns doces, caso contrário, um pedacinho de carvão. Em Veneza a comemoração se faz com a Regata da Befana, onde senhores travestidos de Befana participam de uma competição que termina em Rialto. Outro fato interessante da data é o funcionamento da Torre do Relógio. É o único dia do ano que o sistema de trilhos funciona e o anjinho e os reis magos passam em frente à Nossa Senhora.

Durante este período acontece também a festa mais famosa de Veneza, o Carnaval. Para saber as datas e a programação do próximo Carnaval, clique aqui. Se a ideia é conhecer Veneza com calma, os dias principais deste período (sextas,sábados e domingos) devem ser evitados. A cidade fica lotada, e o circuito turístico Rialto-São Marcos intrasitável pela quantidade de turistas e pessoas fantasiadas. As tarifas dos hotéis podem chegar a 400 euros a noite. Uma opção é se hospedar em Mestre ou em Treviso.

Abril – Maio – Junho

Muita gente considera o período da primavera o melhor para visitar a cidade. É o início da temporada, quando o frio rigoroso ficou pra trás e começam os dias de temperatura mais amena e agradável. As mudanças climáticas têm afetado muito as estações, mas geralmente o início de abril ainda faz um friozinho de leve, principalmente pela manhã e à noite.

A cidade começa a ficar mais cheia e uma dica é comprar os ingressos das atrações principais com antecedência. Os preços dos hotéis podem subir principalmente na semana da Páscoa, é bom sempre conferir no calendário quando cai a Semana Santa. Vale lembrar que a segunda-feira logo após o domingo da Páscoa é o feriado de Pasquetta e no dia 25 de abril comemora-se a fundação da cidade e o padroeiro da cidade, São Marcos.

Os ares de primavera são bem propícios para esticar e percorrer a Estrada do Prosecco, em Treviso. A paisagem de tirar o fôlego fica ainda mais bonita neste período e vale a pena também visitar uma vinícola e marcar uma degustação.

No final de maio, começa a Bienal. Nos anos pares, Veneza sedia a bienal de arquitetura e nos anos ímpares, a de arte. É um momento bem interessante para quem gosta de mostras e exposições. No final de junho, o calor começa a apertar e a proximidade com as férias escolares faz com que os preços das passagens aéreas tenham um leve aumento.

Julho – Agosto – Setembro

Período de altíssima temporada e de muito calor. Coincide com as férias na Europa, então a cidade recebe um fluxo muito grande de turistas. É um mito que as coisas fecham. Em cidades turísticas como Veneza, o centro histórico mantém suas lojas sempre abertas. Alguma variação pode acontecer no dia 15 de agosto,  feriado nacional. No verão é necessário ter muita paciência e programar tudo. Nos dias de forte calor, uma boa dica é visitar os museus que você tem maior interesse, com o cuidado de comprar os ingressos com antecedência para evitar as longas filas.

Abro um parêteses para falar da temperatura. Veneza fica em uma laguna e a umidade é muito elevada. O frio gélido que faz no inverno transforma-se em um calor escaldante nos dias de verão. Até mesmo quem vem das cidades mais quentes do Brasil sofre no verão de Veneza, a dica então é beber muita água, manter-se hidratado, calçar sapatos confortáveis, roupas muito leves e usar protetor solar, chapéu, boné. Vale tudo pra se proteger, além de uma boa dose de paciência.

No terceiro final de semana de julho, acontece a Festa do Redentor, uma das festas religiosas mais comemoradas pelos venezianos, que atrai também um grande número de turistas interessados em ver a queima de fogos noturna, que é mesmo lindíssima.

O mês de setembro ainda é considerado alta estação, o preço das passagens aéreas e hotéis ainda é um pouco elevado, mas o calorão dá uma trégua. Se puder escolher entre os três meses, opte por setembro.

Outubro – Novembro – Dezembro

Todo o mês de outubro até meados de novembro é um período ótimo pra visitar Veneza. O fluxo de turistas cai, a teperatura é mais baixa, mas não é gelado, e é possível curtir as atrações da cidade sem enfrentar longas filas. É difícil prever as chuvas diante das mudanças climáticas dos últimos anos, mas elas podem se concentrar neste período. Já a partir de meados de setembro pode ocorrer o fenômeno da “acqua alta”, quando a maré sobe, mas nada de pânico, é vida normal na cidade.

Para quem gosta de tranquilidade e não tem medo do frio, os meses de novembro e dezembro são uma delícia. A cidade fica mais calma, é possível fazer uma foto na Ponte de Rialto sem ter de “brigar” por um lugar e as manhãs e tardes na Praça São Marcos ficam ainda mais fotogênicas. A cidade finalmente volta a ser dos venezianos. Os dias se alternam entre céu azul e límpido e a misteriosa neblina que deixa Veneza ainda mais fascinante.

Entre os eventos, destaca-se a festa de Nossa Senhora da Saúde, todo dia 21 de novembro, e o reveillon, comemorado na Praça São Marcos. Muita gente me pergunta se vale a pena vir a Veneza no inverno. Eu acho que vale, mas tudo tem seu lado positivo e negativo. É muito gostoso poder curtir a cidade sem a multidão de turistas, mas vale lembrar que no inverno os dias são mais curtos, anoitece mais cedo e faz muito frio.

Se a sua intenção for visitar Veneza neste período, informe-se sobre o melhor modo de se vestir para se proteger das baixas temperaturas.

 

Idinando Borges
dezembro 28, 2017

PRELÚDIO PARA O ANO NOVO Por Áurea Vasconcelos

ok

Momento de transição. Um ano se vai cedendo espaço a outro. As pessoas, expectadoras desta passagem, se repetem  nos comportamentos e emoções. Impossível negar que há um certo prazer neste automatismo rotineiro. Afinal, é gostosa e divertida a ideia da troca de abraços, de mensagens já bastante rotuladas e muitas vezes, acompanhadas de  lembranças identificadas pelos  lacônicos “De… Para…”. Tudo isto, em consonância com votos de paz, felicidades e alegrias.

Na verdade, estes são desejos muito reais. Quando os compartilhamos, estamos conscientes de seus benefícios. Não se trata de um comportamento apenas convencional. Quando vivenciados em plenitude, percebemos que a paz nos conforta, a felicidade é um estado de absoluta satisfação enquanto a alegria torna tudo mais bonito.

Mas, neste ano em especial, existe algo mais, camuflado por detrás do gesto. A sensibilidade está aguçada pelas carências e frustrações à espera de coragem  para verbalizá  –  las. Não há como alterar a sucessão dos anos mas, é possível  fazer da virada o momento ideal para assumir novas posições e por elas lutar com afinco. Por uma questão de autenticidade, o passo inicial  é dado quando nos atrelamos à palavra “acreditar”.  Justo porque ela nos coloca em direção a mais esperança e menos amargura, num panorama de  necessárias e fecundas modificações. Novos significados para antigos e desprezados valores.

Não se trata de uma visão excessivamente otimista diante dos tempos turbulentos que estamos atravessando, no qual nossas  instituições se equilibram na corda bamba, desrespeitadas e desafiadas… No ar, uma total descrença nos homens públicos e nas inteligências governantes…Ainda assim,  temos a audácia de vislumbrar mudanças amparadas na evidente necessidade de reação. O que vivemos neste passado recente é irrecuperável. Já aconteceu. Já deixou suas marcas.  Resta agora fazer dele um aprendizado e  caminhar para a frente. A história da humanidade já nos legou a lição de que as transformações acontecem em meio a períodos  de grandes crises. E por assim ser, vamos viver uma nova era! Hora de construir um futuro promissor!

Acreditamos que o próprio destino e nosso bom senso nos coloquem diante do rumo certo, sintonizados no poder da verdade, da justiça, do sentimento humanitário e porque não?, das boas energias cósmicas.

Acreditamos que a frase mágica é “fazer mais”, enfrentar, não cruzar os braços, não aceitar  o inaceitável, não desperdiçar forças interiores, nem  as melhores oportunidades. A hora é agora!

Acreditamos que somos um país abençoado por Deus naquilo que nos é fundamental. Temos excelente clima, abundantes recursos naturais, um imenso potencial em trabalho e criatividade. Façamos jus à generosidade divina!

Acreditamos em nossa capacidade de pensar e agir.  E, sobretudo, de discernir nossas escolhas. Com responsabilidade! Sem medo! Sem pudor! Este é o nosso maior diferencial. Não estamos em condições de repetir padrões. As opções devem ter resultados que atendam os benefícios que esperamos e os frutos que pensamos colher… A oportunidade é agora: 2018!

Acreditamos no bom caráter… em mentes sadias… nos bons planejamentos! E mais ainda,  na importância do exercício da cidadania e na construção  consciente de um mundo melhor para as gerações que nos seguirão.36fd9c36bd06da41be954632f0e003c1

Acreditamos em Drummond, quando ele diz:

            “Para ganhar um ano novo

Que mereça este nome,

Você, meu caro, tem que merecê – lo

tem de fazê – lo novo, eu sei que não é fácil,

mas tente, experimente consciente,

É dentro de você que o Ano Novo

Cochila e espera desde sempre.”

Agora sim, sob as bênçãos dos céus, desejo

UM VERDADEIRO E FELIZ ANO NOVO A TODOS!

Idinando Borges
dezembro 27, 2017

Inauguração do Digão

25498493_1503949629658182_4624427384923154238_n

Momento festivo da abertura

Na tarde do dia 21 à Rua Floriano Peixoto número 266 aconteceu à inauguração do Digão Lanches. À entrada, enfeites tradicionais, a equipe de “Recreação Barbacena” com destaque para o “palhaço Brigadeiro” recebendo à porta. O empreendimento é uma franquia que existe desde o ano de 1996 e nasceu do idealismo de Rodrigo Rosa Ferreira (Digão) da cidade de Leopoldina. São sócias do empreendimento Núbia Aline Siqueira Costa e Romaica Vieira Barros, que deram um show de cordialidade, recebendo convidados e clientes com desenvoltura.  Entre os convidados o prefeito Luís Álvaro e a primeira Dama, Margarida Campos e o vereador e ainda presidente da Câmara Odair Ferreira.

O ambiente é amplo, pé direito sensacional e a decoração um primor, moderna e prática. Equipe bem treinada com doze funcionários e bem distinta em suas funções: salão, balcão/caixa e cozinha e uma supervisão atenta de um destacado funcionário/consultor.

25498514_1503949632991515_55290320714564180_n

Os sócios e funcionários

A essência do Digão Lanches é o “Confort Food” simplicidade, acrescido do conceito “gourmet” refinado, ou seja; com produtos de boa procedência e diferenciado.  Testados e aprovados, as linhas dos produtos encantam qualquer tipo de público – os franceses aprovariam com louvor o “Digão Angus” São 20 tipos de sanduíches, além de fritas, churrasquinho e o conhecido Milk Shake e o Açaí Cremoso. O Digão já está presente em nove cidades, prestes a ir para a décima cidade.

Os pedidos são feitos no caixa, tendo ao fundo painéis e a cozinha. O cliente recebe uma placa com um número e o pedido é entregue à mesa corresponde ao número.  Nas bandejas, o pedido e um discreto e sutil toque de marketing bem bolado: um docinho com a mensagem: ”É uma delícia ter você aqui”.  Ver também https://digaolanches.com.br/

??????????

Romaica Barros, Rodrigo Rosa Ferreira (Digão) e Núbia Aline Siqueira Costa

??????????

Núbia Costa, o prefeito Luís Álvaro, Romaica Barros e o vereador Odair Ferreira.

Idinando Borges
dezembro 26, 2017

DE GÔNDOLA PELOS CANAIS DE VENEZA

EUROPA - borges maio de 2014 717

Os barbacenenses na aventura pelos canais de Veneza

O passeio de gôndola por Veneza é simples, caro e uma das grandes experiências da Europa. Os gondoleiro se espalham por toda a cidade ansiosos pelo seu passeio.

Nos séculos 16 tinham mais de 10 mil gôndolas em Veneza e elas eram super decoradas, coloridas e cheias de detalhes em ouro. Até o governo acabar com a ostentação, decidindo que todas deveriam ser padronizadas e pintadas de preto.

As gôndolas são feitas nos Squeri. Alguns ainda podem ser vistos pela cidade, como o squero di San Trovaso ou o squero D.co Tramontin. E apesar de terem que ser discretas, as gôndolas ainda são personalizadas, principalmente no interior.

EUROPA - borges maio de 2014 672

Pelas águas do Grande Canal com o selo de qualidade Millenium Turismo

Os preços são tabelados, um pouco mais barato durante o dia (80 EUR) do que a noite (100 EUR), e por gôndola. Então quanto mais pessoas (no máximo 6) melhor, pois o preço por pessoa fica menor. É comum encontrar pessoas procurando outras para fechar um grupo de 6.

Suba na gôndola, escolha um bom lugar e relaxe, num passeio único pelos canais de Veneza.

Idinando Borges
dezembro 23, 2017

CITY 10 – CONFRATERNIZAÇÃO

??????????

A diretora Júlia Borges e o engenheiro Felipe Torres

Um ano difícil também para os empresários, os sinais não são claros, mas qualquer atividade empresarial precisa ser firme, além do negócio fim há o compromisso social.  A empresa City 10 sempre procurando inovar, investe e em janeiro,  teremos novidades.

E, como faz todos os anos, mais uma vez realizou a sua festa de confraternização, este ano na aplausível Villa Gorini, que vende um pacote com o espaço, piscina e serviço de churrasco com bebidas e sobremesas.

??????????

Colaboradores …

Com apoio da diretoria, a Gerente de Marketing Taiza Priscila orquestrou o evento para 200 convidados e 38 crianças, filhas dos colaboradores. O evento contou a turma de animadores, o brinde personalizado – copo com a logomarca e a presença dos diretores:  César Sales Borges e Júlia Borges, gerentes, técnicos e colaboradores – uma moçada bonita!

Foi uma tarde de congraçamento, ampliação da rede de relacionamentos, inclusive com a equipe de São João del Rei, selfs e fotos feitas pelo Borges. As fotos estarão disponibilizadas no departamento de Marketing a partir do dia 27.  Feliz Natal!

Idinando Borges
dezembro 22, 2017

O Baile do Adeus da Glória Eventos

25498244_1842567632480831_7974594609951660868_n

A comissão de formatura: SAMUEL Antony Henrique Braz da Silva, Vitor Batista SPINELLI, DANIEL Pires de Oliveira, Gabriel Henrique Domingues SUNEGA, Ruan Carlos Chaves da COSTA. André Luís Pollo MAZZIERO, Adryel CAIAFFA Telles Soares, Pedro Luiz dos Santos BORGES, Jean Carlos dos Santos GARCIA, Murilo Oliveira Sousa LIMA, Guillermo LADISLAU Ferreira com a empresária Maria da Glória Bittar de Castro Pereira

O tempo mínimo para produzir um baile de formatura é de doze meses. Na semana que antecede o evento, há um trabalho intenso de bastidores, para transformar o ginásio Charles Astor da EPCAr em um imenso salão de baile para receber dois mil convidados.

A empresária Maria da Glória Bittar de Castro Pereira, há doze anos promovendo o Baile do Adeus, conta com parceiros de credibilidade para as montagens, decoração e serviços.  Seus principais parceiros foram: Montagens: Nestlé Arte Decoração de JF, Decoração: Decorações e Festas By Richard Viol, Iluminação cênica/pista: Formassis e o serviço do  Parthenon Buffet e a Banda Nova York além de outras atrações agenciadas pela Plug Entretenimento que trouxe a Banda du Rio e dos DJs Taty Mesquita e HJ e o Projeto e-Leds

Depois de uma jornada iniciada no dia 2 de dezembro na AMAN com o Baile do Aspirantado, no dia 9, no Rio Centro (Escola Naval), dia 16 foi o Baile do Adeus da Epcar. E, o evento foi realizado com muito entusiasmo, afinal a Escola é o orgulho de Barbacena.  A comissão de formatura: SAMUEL Antony Henrique Braz da Silva, Vitor Batista SPINELLI, DANIEL Pires de Oliveira, Gabriel Henrique Domingues SUNEGA, Ruan Carlos Chaves da COSTA. André Luís Pollo MAZZIERO, Adryel CAIAFFA Telles Soares, Pedro Luiz dos Santos BORGES, Jean Carlos dos Santos GARCIA, Murilo Oliveira Sousa LIMA, Guillermo LADISLAU  Ferreira.

A empresa recebeu total apoio do comandante do 3º Esquadrão “Lancevaque”, Major Martins e durante o baile a atenção do Comandante da EPCAr,    Brigadeiro do Ar José Aguinaldo de Moura, bem como de todos os oficiais envolvidos. Em sua rede social, a empresaria escreveu: Foi um baile inesquecível! Turma Lancevaque para sempre marcada no meu coração! Moçada linda que vai brilhar nos céus do nosso Brasil! Quanta honra e privilégio produzir esse evento tão significativo para a Glória Eventos e pra mim pessoalmente! Viva a EPCAR!”

 

Idinando Borges
dezembro 19, 2017

150 alunos concluem o Curso Preparatório de Cadetes do Ar.

Com o repórter Luiz Lúcia Almeida.

??????????

Na manhã do dia 16, aconteceu no pátio da Epcar a formatura da “Turma Lancevaque” com 150 alunos oriundos de vários pontos do país prontos para a AFA (Academia da Força Aérea em Pirassununga-  SP).

A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o tenente brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez, que presidiu a cerimônia, o major-brigadeiro, Rui Chagas Mesquita e o comandante da unidade, brigadeiro José Aguinaldo de Moura. Esteve presente, o vice procurador geral da república, José Bonifácio Borges de Andrada.

??????????

O tenente brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez, que presidiu a cerimônia e o comandante da unidade, brigadeiro José Aguinaldo de Moura

A cerimônia foi  marcada por alguns ritos simbólicos, dentre eles, a passagem do Estandarte da Escola, que é feita pelo líder do Corpo de Alunos ao primeiro colocado do segundo Esquadrão.

Epcar - baile do adeus 019

O gaúcho Caio Oliveira e a rainha da Rosas, Nádia Campos no Baile do Adeus.

 

 

 

 

 

 

??????????

O brigadeiro Moura e o cadete barbacenense Fernando Ruffo, filho de Rosimeire da Cunha e Kennedy Ruffo Sobrinho.

 

É motivo de orgulho para o Aluno da EPCAr conduzir o pavilhão máximo da organização de ensino, representação de coragem, lealdade, honra, dever e patriotismo, esperados do futuro Cadete da Aeronáutica. Foi motivo de orgulho saber que o líder do corpo de alunos é o barbacenense Fernando Ruffo, filho de Rosimeire da Cunha e Kennedy Ruffo Sobrinho. Ao falar para o programa “Sinal de Alerta” do repórter Luiz Lúcio de Almeida, Ruffo que alcançou a média  de 9,40, dedicou sua vitória aos pais.

 

Epcar - baile do adeus 067

Danielle Lebourg, o Sub Tenente do Exército, Mateus Dias com o filho Pedro Lebourg com o brigadeiro Moura e Shirlene Braga de Moura, durante o baie de Adeus.

Registro também, entre os formandos, o barbacenense Pedro Lebuorg filho de Danielle Lebuorg e do Sub Tenente do Exército, Mateus Dias e ainda, o gaúcho Caio Oliveira, que conquistou a nossa rainha, Nádia Campos!

Com informações da Comunicação da Epcar

Ten. Quelli e Paula Drumond

Idinando Borges
dezembro 18, 2017

Segunda Temporada, mais lindos ainda…

The Crown chegou à Netflix com bastante pompa, uma das séries mais caras da plataforma, que prometia entrar nos meandros da atual família real da Inglaterra, Elizabeth, desde seus primeiros anos, como focava a primeira temporada. Agora, a série mantém essas pretensões, chamando a atenção para o brilhantismo técnico da reconstituição de época, que agora vai até o início dos anos 1960, e o grande objetivo é traçar esse painel da família real, de suas raízes até seus frutos, num misto de exaltação e alguma sinceridade, algo que parece tornar a produção até questionáveis em alguns aspectos.

Essa segunda parte narrativa começa exatamente após os últimos acontecimentos da primeira temporada, mostrando as reações inglesas à revolta no Egito com Nasser, o conturbado relacionamento entre a princesa Margaret e Peter Townsend, as inúmeras de tentativas de Phillip conseguir se adequar na família real e principalmente a Rainha Elizabeth II adequando-se a seu poder. The Crown, assim, funciona como uma espécie de folhetim dessa família real, algo que desde sempre aguçou muito a curiosidade do público, de entender como aquele palácio funcionava e principalmente de ter artigos que traziam o rei ou a rainha como um estandarte. Talvez The Crown seja este estandarte real para a nova geração, uma forma de manter viva uma grande aura em torno dos monarcas mais famosos do mundo.

Essa é uma característica que se confirma na segunda temporada, numa relação extremamente estranha entre uma intimidade programada com aqueles seres, mas também uma cautela excessiva com esses mesmos retratados, como se houvesse um limite bem claro que a série nem ao menos deseja passar. A segunda temporada é marcada por uma proteção de seus personagens e numa tentativa de torna-los humanos e mais próximos mesmo com essa capa impermeável que existe em todos os episódios. Algo que era mais bem explorado, ou menos visível na primeira parte da série.

Esse segundo bloco narrativo pode ser considerado muito mais político que o primeiro, mostrando o relacionamento da Inglaterra, consequentemente da Família Real, com outros países em eventos chaves, como a já citada tensão com o Egito de Nasser e o controle do canal de Suez, a quase conversão de Gana em uma República Socialista, a descoberta de um informante nazista dentro da alta corte inglesa durante a Segunda Guerra e a visita do casal Kennedy. Fatos relevantes e muito interessantes de estarem numa série popular, mas que aqui surgem de forma um pouco truncada, como se a série não pudesse dar a devida atenção e a perspectiva inglesa é tão forte que tira qualquer isenção dos fatos, não sendo sincero em relação àquilo que retrata.

Muito disso é visto no episódio com os egípcios, onde Nasser sempre foi tratado como um rebelde afrontoso, e mesmo que digam como a investida no Oriente foi mal planejada e até ilegal, mas a mensagem passada é que uma honra inglesa esteve mantida, pelo modo como a Rainha agiu diante de seu primeiro ministro, como impediram que as coisas ficassem ainda mais graves. Há quase um medo existente ali em julgar aquilo que se vê, em buscar as verdadeiras consequências ou como aquilo açoitava de alguma maneira o íntimo da família real. Assim, esse contexto político pode até ser relevante, mas faz com que se distancie desse lado humano buscado pela série, deixando The Crown um tanto quanto engessado.

Essa segunda temporada passa a ser marcada por uma irregularidade ao alternar esses episódios focados numa dimensão política e outros sobre a intimidade da Rainha, deixando aquém um sentimento necessário de unidade em relação a um roteiro seriado. O político se choca com o privado e estes parecem não se misturarem tão bem em The Crown, evitando que haja tanto um desenvolvimento da primeira quanto da segunda esfera. Assim, até as intrigas dentro da corte parecem perder força por essa falta de concisão, pois a cada episódio esse foco é trocado. Essa segunda temporada fica muito próximo de um guia de curiosidades dentro dos palácios, algo que agrada facilmente o público, mas que analisado friamente demonstra suas irregularidades.

Além do roteiro pouco fechado, há também uma grande questão com a protagonista da série, a Rainha Elizabeth II, interpretada novamente por Claire Foy, que materializa esse engessamento de um sentimento humano. Nessa temporada, a Rainha parece muito mais infalível, se antes a desconfiança e insegurança aproximavam-na do público, agora parece que todas as decisões tomadas por ela sejam a correta. A Rainha pode até estar em uma situação adversa como quando cede as pressões do marido após um escândalo na frota real, ou em sua improvável viagem à Gana, ou quando sente inveja de Jackie Onassis, mas ainda assim mostra-se certa, mesmo que o sentimento seja equivocado naquele momento, evidencia-se que ele tem um propósito, uma razão que será revelada a seguir. Há uma preocupação excessiva em proteger os sentimentos da Rainha e quando ela não está certa, também não estará errada, assumindo um papel neutro em muitos episódios.

Com essa condição superior ainda mais evidente da protagonista, não é surpresa que mais uma vez os episódios mais interessantes sejam aqueles que foquem exclusivamente em um único personagem secundário. Como o capítulo em que Margaret se apaixona pelo fotógrafo Antony, onde a narrativa inteira é construída a partir da diferença entre o trabalho de Antony com os do fotógrafo oficial da corte, algo que faz o espectador entender o que a Princesa encontrou naquele homem, ali se escreve a interação mais interessante da segunda temporada. Outro episódio marcante é um focado apenas em Phillip, que exige a matrícula de seu filho numa escola para meninos, um capítulo que coloca lado a lado a educação desses dois homens reais, mostrando em flashback como foi a infância dele. Não é à toa que esses dois episódios foquem nos atores destaques dessa temporada, Matt Smith e Vanessa Kirby.

São eles e esses episódios solos que fazem The Crown um pouco mais humano, mas na maioria das vezes a série extremamente luxuosa em seu desenho de produção e em sua fotografia, eficiente em captar o público com suas curiosidades reais, mas que tem como objetivo apenas construir mais um estandarte em nome da rainha. The Crown afasta-se assim da humanidade que propunha, tornando-se uma série um tanto quanto fria.

Idinando Borges
dezembro 18, 2017

Glória Eventos na Escola Naval

 

??????????

Maria da Glória Bittar Pereira, o comandante da Escola Naval, Contra-Almirante Newton de Almeida Costa Neto e o Aspirante Rodrigo Reis.

Há quinze anos A Glória Eventos realiza eventos militares, trajetória iniciada no Baile do Adeus da Epcar e que a credenciou para eventos da Polícia Militar da 14ª Região Militar e para alçar novos voos nas escolas militares. Com resultados satisfatórios, a empresa já realizou eventos da EsSa – Escola de Sargentos das Armas, na AFA – Academia da Força Aérea Brasileira e o Baile da Rainha das Armas, Espadim e Baile da Espada da AMAN – Academia Militar de Agulhas Negras.

No sábado, dia 9 a Glória Eventos realizou pela primeira vez o Baile do Aspirantado da Escola Naval – Marinha do Brasil - sediada no Rio de Janeiro. O evento aconteceu no Rio Centro na Barra da Tijuca, com gigantesca estrutura para eventos de grande porte.

Foram parceiros da Glória Eventos, a empresa Inove Decorações do André Bicalho, a Guy Buffet, por sinal elogiadíssimo e a D. Martins. Foi um evento para 2.200 convidados, recepcionados pelos Aspirantes da Escola Naval, integrando a comissão de recepção da Glória Eventos. O comandante da Escola Naval é o Contra-Almirante Newton de Almeida Costa Neto. A comissão dos formandos dos novos Guardas Marinha: Fernando Freitas, Breno Matos, Fernanda Fonseca, Thiago Lessa, Rodrigo Reis e Mateus Passos.

??????????

– Os aspirantes Fernando Freitas, Breno Matos, Fernanda Fonseca, Thiago Lessa, Rodrigo Reis, Mateus Passos com Renata Assis Braz e Maria da Glória.

Idinando Borges
dezembro 6, 2017

Aconteceu na Aman, o baile do Aspirantado

AMAN - ESPADÃO 053

A empresária Maria da Glória, da Glória Eventos e o Aspirante, Müller

Uma árdua luta de superação de desafios, quatrocentos e vinte e seis jovens de todos os pontos do Brasil, inclusive da pequena São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul, dedicaram cinco anos de suas vidas na conquista do aspirantado da Academia Militar de Agulhas Negras, em Resende. O triunfo da conquista, a resplandecente espada que dá nome ao baile Show/popularmente conhecido como – “Baile da Espada”.  O Baile de Gala do Aspirantado é organizado pela COFA – Comissão Organizadora da Festa do Aspirantado, cujo presidente foi o aspirante gaúcho Felipe Scolari. Para o planejamento e engenharia do evento, a empresa de Barbacena, a Glória Eventos dedicou quase um ano no planejamento do sonho dos jovens aspirantes e, como uma orquestra, regendo diversos parceiros para o grande dia, dia 2 de dezembro. Contou com o Curso de Cavalaria – arma responsável por coordenar o Baile nessa edição, através da orientação dos oficiais também empenhados na realização do evento. Montagens de novos espaços, adequações, iluminação cênica e muito requinte na decoração, transformaram os ambientes discretos da Academia em fulgurantes espaços de festa para receber os três mil e oitocentos convidados.

AMAN - ESPADÃO 023

A Sra. Daniela Costa Neves e o general Costa Neves, comandante da Aman

A decoração foi entregue à Decorações e Festas By Richard Viol e o serviço de bufê para o respeitado Buffet Pathernon, de Viçosa – parceiro de Glória Eventos nesse e em outros desafios de grande porte. Foi um baile show com a presença de estrelas da música nacional como a banda Skank, Falamansa e Marcos & Belutti, além dos shows paralelos com as Bandas: Koquetel e La Banda também de Barbacena. Teve também uma atração inovadora no Espaço  “Entre ranchos”  com “Tropeço Trio & Ana Clara Castro”, seguida pela apresentação de “Rafaella Rodrigues e Trio” .

O brilhante Comandante da AMAN, General Costa Neves, desenvolto, passeou pelos salões, sempre cordial com os convidados, entre os quais, os Aspirantes da Marinha, demonstrando satisfação em estar à frente da maior escola militar da América Latina. A empresa Glória Eventos presta homenagem aos aspirantes de Barbacena: Lucas Müller César de Oliveira, Lucas Feliciano de Paula Gomes, Matheus Morais da Silva, Ruann Rodrigues Magri, Paulo Damião de Almeida, João Cosme de Almeida.

??????????