Idinando Borges
novembro 30, 2015

A HISTÓRIA SECRETA DA AMAN. Do informativo Sangue Verde Oliva

No início de 1943, tempo de II Guerra Mundial, a construção da AMAN havia parado por falta de verbas; funcionava no Rio a velha Escola Militar de Realengo, instituição que formou muitos militares conhecidos no século passado, como Castello Branco e os outros generais presidentes.

 

Escola Militar do Realengo
Naquela época uma das diversões do cadete era montar nos dias de folga. Oito amigos nos fins de semana costumavam cavalgar. Oito companheiros inseparáveis saíam sempre juntos. Irmãos por escolha, por opção. Em algumas noites eles costumavam sorrateiramente cavalgar até uma boate de mulheres que havia em Botafogo.

 

Escola Militar do Realengo
Certa noite, eles montaram nos cavalos escondidos no mato e com um grito de comando dispararam pela estrada de barro retornando a Realengo. Quando passavam por uma rua, viram numa esquina escura quatro homens assaltando, batendo num senhor que pedia clemência, que não lhe matassem.

 

Hábito dos Cadetes de cavalgarem
Os oito cadetes não precisaram combinar, puxaram as rédeas e os cavalos dirigiram-se para o local do assalto, desmontaram dos cavalos ainda a galope, e agarraram os bandidos. Dois socorreram o cidadão que já devia ter mais de 50 anos, os outros prenderam os marginais. O velho ferido foi deixado num hospital.

 

O Portão Monumental que se avista da Dutra
Na segunda-feira durante a formatura matinal, o comandante da Escola pediu à tropa para que os cadetes que tinham salvado a vida de um cidadão se apresentarem, o filho desse senhor estava ali para agradecer. Os oito amigos não se revelaram, receio de pegar cadeia. Só depois do comandante muito insistir e promessa de não haver punição, os cadetes se apresentaram.

 

Campo de Marte - AMAN
Foram levados à presença do velho no hospital. Era nada mais nada menos que Henrique Lage, um dos homens mais ricos do Brasil, donos de empresas, inclusive o Loyde Nacional, companhia de navios que fazia a costa brasileira.

 

Bela vista lateral da entrada da AMAN, com seus jardins
O rico senhor agradeceu aos cadetes e perguntou qual a precisão de cada um, eles dissessem o que queriam. Os oito amigos pediram para pensar. Reuniram-se, discutiram muito. No outro dia foram ao ricaço, nada queriam para eles, pediam que ele ajudasse a terminar a construção da Academia Militar das Agulhas Negras que estava paralisada.

 

Teatro Acadêmico
O velho deu a ordem, mandou buscar o mais fino mármore de Carrara na Itália para o revestimento, mandou comprar todo o piso da Academia em granito. Até hoje perdura o luxo e a suntuosidade daquele belíssimo conjunto arquitetônico.

 

Biblioteca Acadêmica
A AMAN é considerada a mais bonita Academia Militar do mundo, graças à digna história dos oito cadetes, hoje anônimos militares reformados de nomes esquecidos, mas o belo gesto, a coragem, o destemor e o amor à sua Escola tornaram-se lenda, sempre lembrada nas reuniões militares.

 

Saiba mais dobre a AMAN

Os Zero Um (primeiro colocados) da história da AMAN

AMAN


Editor, Luiz MergulhãoNota do Editor: A historia dos cadetes pode ser inverídica. Meu padrasto, Aspirante de 43 (Engenharia) do Realengo gostava de contar esta história. Mas o fato da doação do mármore de carrara é verdadeira.

As atividades de Henrique Lage como armador o aproximaram dos militares da Marinha do Brasil e do Exército, entre os quais fez grandes amigos e admiradores. Foi o primeiro civil, e durante muitos anos o único, a ostentar no peito a Comenda da Ordem do Mérito Militar, que lhe foi outorgada, em caráter especial, pelo próprio Presidente da República – Getúlio Vargas. Ostentava, em sua lapela, o botão representativo, demonstrando o apreço que dedicava à condecoração recebida.

Os Cadetes da Escola Militar, aos quais estimava como filhos, tinham tratamento especial em seus navios e muitos dos atuais oficiais superiores e Generais do Exército Brasileiro foram passageiros “de cortesia” em seus ITAS, durante as férias escolares, a fim de visitarem seus parentes na terra natal. Instituiu o “Prêmio Henrique Lage” para o 1º colocado de cada turma e a “Taça Lage” para ser disputada em competições esportivas entre as Escolas Naval e Militar. Doou todo o mármore empregado na Academia Militar das Agulhas Negras, pois, mantendo uma grande amizade com o Marechal José Pessoa, o grande idealizador e incentivador da construção da AMAN, fez questão de participar do empreendimento.

Até hoje nos registros da Academia consta o nome de Henrique Lage como cadete numero 0001 sendo a ele distribuido o espadim de mesmo número.


PATRONO DO CURSO BÁSICO

henrique_lage.jpg     O Patrono do Curso Básico é o empresário Henrique Lage que nasceu no Rio de Janeiro – RJ em 14 de março de 1881, cuja vida girou em torno do trinômio: navio, carvão e ferro. Exemplo de dedicação e labor, sucedeu o pai, Antônio Martins Lage Filho, fundador da Cia Nacional de Navegação Costeira.

     Com a morte dos irmãos mais velhos, assumiu a direção do que mais tarde se chamou organizações Lage, incorporada ao patrimônio nacional após sua morte. Seu espírito patriótico era grande e seu interesse pelas Forças Armadas, em especial pelo Exército, ainda maior. Este espírito está materializado no mármore que cobre os salões de nossa AMAN, por ele doado quando de sua construção.

     Homem de grande inteligência e tino comercial, voltou-se desde cedo para o problema da industrialização nacional, vendo nela a esperança de alargamento dos horizontes econômicos do País.

     Durante muito tempo foi quem entregava a espada ao primeiro colocado da AMAN, na cerimônia de Declaração dos Novos Aspirantes. Os cadetes da Escola Militar recebiam tratamento especial em seus navios, nos quais, muitos deles viajavam de cortesia durante as férias escolares. Faleceu em 1941.

     Deixou saudades nos oficiais do Exército e, principalmente, nos cadetes que o veneravam pelo seu brilhantismo e exemplo de companheirismo e dedicação em prol de um país maior e melhor. Por sua grande contribuição à Academia e ao Exército Brasileiro foi-lhe concedido o Espadim Nº 1 e outorgado o título de Patrono do Curso Básico.

Fonte: AMAN

Elton Belo Reis
novembro 29, 2015

Memórias barbacenenses, voltando ao tempo…

“Memórias” de Daniel de Carvalho.

Colégio Abílio, Gimnasio Mineiro,Colégio Militar,Colégio Estadual e EPCAR, enfim as memorias que nos sobraram…

TOPOGRAFIA -

   Localizado na encosta da colina do Matinho, a 1.260 metros de altitude, a direita da linha férrea da Central do Brasil, entre as estações do Sanatório e Barbacena, ocupava terreno espaçoso de 10 hectares.

22700_955301601171490_8498377622453906995_n

Estava para a época, magnificamente instalado em edifício de proporções convenientes, constituído de alguns pavilhões, sendo dois pavimentos em toda a sua extensão de sua frente, corpo principal voltado para a cidade. A parte central composta de platibanda e de escadaria para acesso ao andar superior dispunha de sala de visita, Gabinete do Reitor, Secretaria, Sala da Congregação e Biblioteca.

Na ala direita estavam: embaixo, o grande refeitório, com a cozinha e suas diversas dependências nos fundos; em cima, amplo dormitório dos alunos “maiores”. Ligada a essa ala, perpendicularmente, achava-se a casa de residência do reitor.

O térreo, na ala esquerda, dividido em compartimentos, era destinado o deposito de malas, lavatório munido de bacias de rosto, esmaltadas, salas de reuniões e biblioteca de um dos clubes, que faremos referencias. O andar superior fazia parte o dormitório dos “menores”.

colegio abilio 1883

Em continuação a essa ala, em alinhamento um pouco afastado, havia um longo e comprido barracão coberto de zinco. Ia-se ter ao amplo recreio de “menores” (o chamado recreio grande, em contraposição ao recreio pequeno onde se erguia o coreto para a banda de musica, usado nos curtos intervalos de uma aula a outra) – recreio grande, que de tamanho maior que o do barracão, estendia-se ate a proximidade da linha férrea, paralelamente e em plano de nível dez a quinze metros superiores a ela. Separava um da outra suave rampa pela qual se subia ate o jardim, em parte arborizado, que ornamentava as frentes do Colégio e da casa do reitor.

O “recreio grande”, de forma quadrada era cercado em três dos seus lados por gradil de madeira. Do barracão de zinco, parte destinava-se a abrigo, em horas de chuva ou de sol inclemente e as formaturas quer para as idas e vindas do e para o salão de estudo, quer para as ciências dos relatórios semanais dos inspetores, lidos por estes, nos quais se consignavam as transgressões de que eram acusados os estudantes e as penalidades a que ficavam ou iam ficar sujeitos. Destas, a não ser a expulsão da privativa competência da Congregação e que rarìssimamente se aplicava a privação do recreio com ou sem incomunicabilidade e a proibição da saída para a cidade aos domingos, eram tidas como as piores.

Parte do barracão de zinco estava ocupada pela rouparia, provido de prateleiras com compartimento separado e numerado para cada menino. Cada um recorda-se a propósito – recebia numeração pela qual ou abreviação era conhecido e chamado. Noutro cômodo do barracão guardava-se o armamento (velhas e pesadas reiúnas de ouvido e vareta, com enormes sabres para baioneta, que diziam que haviam servido para a guerra do Paraguay) de que o Ginasio dispunha para os exercícios e paradas na cidade em dias de festas cívicas.

COLEGIO MILITAR DE BARBACENA1 1913 - Cópia (5)

Era de se ver o garbo dos ginasianos, precedidos por sua ótima banda de musica militar, com os aplausos que recebiam do povo naquela ocasião. Na parte interna da divisão dos “maiores”, havia mais ou menos simétricos aos de “menores”, os recreios grande e pequeno, o barracão para apoio e abrigo e rouparia ao lado da Capela e do tanque do antigo banheiro abandonado.

O corpo principal do edifício comunicava-se por um pequeno corredor, com o grande salão de estudo que comportava todos os estudantes, separados, porem maiores de menores. Nas suas extremidades havia duas tribunas donde os inspetores exerciam vigilância sobre a sua turma. Á esquerda do salão havia uma varanda por onde passavam os professores para as salas de aulas. Estas situavam em dois pavilhões, um maior e outro menor, em nível mais alto perpendicular ao primeiro e todos davam portas para varandas cobertas. As salas eram em numero de oito, incluindo os gabinetes de desenho e física, todas construídas de tijolo após a fundação do ginásio pelo Estado.

COLEGIO MILITAR DE BARBACENA1 1913 - Cópia (3)

O estabelecimento era provido de padaria, matadouro e lavanderia próprios. Na sua Chácara cultivava em abundância, cereais, legumes e frutas bem como hortaliças para o consumo do pessoal. O hortaleiro criava também coelhos e abelhas.

Uma das nascentes proveniente da Chácara do Casado, de Salvador Cardoso, foi aproveitada para a formação de nossa piscina, na qual maiores e menores banhavam em dias alternados, conquanto frio o clima de Barbacena, os banhos eram de madrugada, às vezes quatro e meia antes do amanhecer.

HISTORICO-

O corpo antigo do prédio, de pés direitos de madeira, paredes de pau a pique e ripas, sobre alicerces de pedra, foi construído pelo Padre João Ferreira de Castro, que nele fundou na segunda metade do século XIX, o antigo Colégio Providencia. Foram seus alunos os ilustres brasileiros Senadores Agostinho Cortes e Henrique Dinis, Embaixador Olinto de Magalhães e Drs Galdino Abranches e Antonio Jose da Cunha. Teve esse Educandário efêmera duração por escassez de matricula, devido ao gênio do Diretor e o regime da “palmatória”, pavoroso aos pais. A propriedade hoje mais que centenária foi então adquirida pela Sociedade Educadora de Barbacena, que cedeu o seu uso gratuito ao Barão de Macaúbas, Dr. Abílio Cesar Borges, com quem estudaram, pelo menos terminaram os preparatórios para cursos superiores, antigos alunos, entre eles o ilustre historiógrafo Max Fleiuss. No Colégio Abílio estudaram os três filhos do Senador Virgilio Melo Franco então Juiz de Direito da Comarca, em troca das aulas que este dava. Com a mudança do Barão para a Côrte, a Educadora então presidida pelo Dr. Virgilio, nele fundou o primitivo Ginásio de Barbacena, sem caráter oficial, de que foi Reitor e Professor de Frances, Augusto Avelino de Araujo Lima, depois com as mesmas funções do Internato do Ginásio Mineiro.

Nessa fase de transição, de que se sobrevivem alguns, foram alunos Dr. Leon Renault, o saudoso Almirante Roberto de Barros, ultimo veterano de Campo Osório e lente da Escola Naval. Mario Andrade farmacêutico, Antonio Cavalcanti e Antonio Benedito de Araujo, foram notáveis docentes o Dr. Virgilio de Melo Franco o professor Copsey, o Dr. Adolpho Remmers e nos últimos anos, o jovem Advogado Dr. Francisco Mendes Pimentel, na cadeira de historia universal.

Pouco depois, no Governo Provisório da Republica e do Estado pelo Decreto numero 260 de 1 de dezembro de 1890, o Governador Bias Fortes, resolve criar, com o mesmo plano e programa do Ginásio Nacional, um estabelecimento de Instrução Secundaria, dividido em internado e externato, sendo o primeiro em Barbacena e o segundo para a Capital do Estado (Ouro Preto e depois Belo Horizonte). Conforme se declara no considerando desse decreto, determinou a escolha de Barbacena para a Sede do Internato a oferta de terras, prédio e mobília para o estabelecimento modelado pelo Ginásio Nacional.Dr. Virgilio, presidente da educadora, foi o primeiro reitor do Ginásio.

COLEGIO MILITAR DE BARBACENA 1913 (4)

No Governo de Silviano Brandão, teve resolvida a extinção do internato do Ginasio, conforme extinta foi a Escola Normal e Estadual de Barbacena e não inaugurada a Assistência a Alienados. A opinião vislumbrou no golpe iminente uma vindita do “Ódio galenico”de dois médicos políticos, Silviano e Dinis, por motivos partidários injustamente imputados a este, entre outros o alegado desprestigio de chefes do Sul de Minas após a tentativa separatista de Campanha, a errônea hipótese de que a oposição iniciada em Belo Horizonte, no Jornal do Povo, por Mendes Pimentel e Azevedo Junior, fosse inspirada pelos chefes barbacenenses.

A causa era bem outra. A maior proporção de matriculas no ginásio eram filhos de fazendeiros e a extrema baixa dos preços do café afetou a todos, porque os pais comerciantes ou os que exerciam profissões liberais, todos dependentes das rendas dos lavradores, não teriam remédio senão privar os seus para instruções secundarias.

Em 1903 foi criado o curso anexo ao Ginásio, sendo os primeiros alunos os irmãos Adauto, Ormeu e Jose Junqueira Botelho, Álvaro Teixeira Cortes, Odilon Loures e Carlos Pena Bôto. Coube a Wenceslau Brás, fazer a supressão do Ginásio mas com um ideal de substituir por um Colégio Militar, cumprida por Hermes da Fonseca quando Presidente da Republica. Os filhos de Paulo Vaz, Edmundo e Dr.Jose, mais irmãos – entregaram parte do arquivo da Educadora ao Dr. João Benedito e este ao Senador Virgilio de Melo Franco para legalizar a cessão do prédio e acessórios ao Ministério da Guerra. A documentação restante a outros acionistas como o Dr. Pedro Massena e o farmacêutico Alfredo Renault e a família Cardoso de Abranches, foi entregue ao Deputado Irineu Machado, eleito pelo terceiro distrito, a que Barbacena pertencia como contribuição dos elementos civilistas co-possuidores de ações para o mesmo fim legalizador e patriótico.

Foi em março de 1912 a transformação do Ginásio em Colégio Militar e o Ginásio passou a funcionar em outro prédio da cidade, como externato. O Governador Bias Fortes filho do fundador do Ginásio, construiu um moderno prédio na cidade para a instalação do Colégio Estadual Soares Ferreira, nome atual do antigo educandário. O Governo da Uniao investiu em grandes obras nas instalações do internato militar que ali funcionou ate que foi extinto pelo decreto 16.851, de 27 de março de 1925 no Governo de Arthur Bernardes.

GYMNASIO MINEIRO EXTERNATO 1COLEGIO ESTADUAL (3)

Reorganizando o Ginásio Mineiro pelo decreto 7.101 de 30 de janeiro de 1926, voltou o internato a ocupar o mesmo prédio, pelo decreto lei numero 64 de 15 de janeiro de 1938, sendo novamente suprimido o internato. Continuou a funcionar no mesmo prédio o externato, ate que foi criada a Escola Preparatória de Cadetes da Aeronáutica. Este prédio ocupou abaixo de suas velhas telhas, probidosas reitorias e competentes professorados. (Memorias de Daniel de Carvalho – Estudante do Internato do Gimnasio Mineiro).

Idinando Borges
novembro 29, 2015

UM DOS RÉVEILLON MAIS CARO DO MUNDO Por Adolfo Nomeline

 

Tomar café da manhã no Copacabana Palace, como já contamos no blog, é um sonho possível para os meros mortais! Já passar o Réveillon no hotel mais famoso do Brasil não é tão simples assim.

RÉVEILLON NO COPACABANA PALACE

Quando pensamos no réveillon do Rio de Janeiro, já lembramos do show de fogos de Copacabana e, quase sempre, esquecemos de como aquelas pessoas na praia estão sendo esmagadas e começando o ano com gostinho (e cheirinho) de calor humano.

Passar o Ano Novo no Rio significa gastar muito e, nem sempre, ter o serviço que vale o preço que se paga. Mas, caso queira, você pode desembolsar uma bela grana para ter uma virada de ano inesquecível no Copacabana Palace e começar 2016 com alguns milhares de reais a menos na conta.

Réveillon no Copacabana Palace (Foto: Fernando Maia | Riotur)<img class=”aligncenter size-large wp-image-11985″ src=”http://i0.wp.com/essemundoenosso.com.br/wp-content/uploads/2013/11/Sem-Título-2.jpg?resize=634%2C450″ alt=”Réveillon no Copacabana Palace (Foto: Fernando Maia | Riotur)” data-recalc-dims=”1″ />

PACOTES CHEGAM A MAIS DE R$ 50 MIL

Para ficar hospedado no hotel durante a festança de 2015 para 2016, existem pacotes, que estão com 100% de ocupação, a partir de R$ 14 mil por cinco diárias (tempo mínimo permitido de 29/12 a 03/01). A mais barata é a Suíte Vista Cidade (R$ 14.410,00 + taxas as cinco diárias). Já a mais cara, a Suíte Cobertura, custa R$ 52.250,00 + taxas também para cinco dias.

Réveillon no Copacabana Palace (Foto: Divulgação/Romulo Fialdini)

FESTAS NO HOTEL

Agora, se você pretende dormir num hostel e virar “milionário” somente na hora da virada, dá para comprar apenas o convite para festa. Existem três opções:

FESTA DE RÉVEILLON

Salões Frontais/Nobre/Golden – R$ 3300 por pessoa + 10%
Salão Palm – R$ 2900 por pessoa + 10%

Buffet elaborado pelo chef executivo Pierre Petit, incluindo bebidas a partir das 20h, banda ao vivo a partir das 21h e à meia-noite queima de fogos na varanda do Salão Nobre, com vista privilegiada da Praia de Copacabana. Mesas serão compartilhadas pelos convidados em números de 10 e 12 lugares.

Réveillon no Copacabana Palace (Foto: Divulgação/Romulo Fialdini)

CEIAS DE RÉVEILLON

Restaurante Pérgula – R$ 2550 por pessoa + 10%
Buffet elaborado pelo Chef Filipe Rizzato servido a partir das 20h, incluindo bebidas.
DJ a partir das 20 horas. A queima de fogos à meia-noite poderá ser assistida no restaurante. As mesas serão distribuídas de acordo com as reservas e disposição do salão.

Restaurante Cipriani – R$ 2650 por pessoa + 10%
A partir das 20h, com piano ao vivo. Menu degustação elaborado pelo Chef Luca Orini
incluindo bebidas. Queima de fogos à meia noite poderá ser assistida no restaurante Pérgula.
As mesas serão distribuídas de acordo com as reservas e disposição do salão.

Réveillon no Copacabana Palace (Foto: Divulgação/Romulo Fialdini)

Restaurante Mee – R$ 2650 por pessoa + 10%
A partir das 20h. Menu degustação elaborado pelo Chef Kazuo Harada incluindo bebidas.
Queima de fogos à meia noite poderá ser assistida no restaurante Pérgula. As mesas serão
distribuídas de acordo com as reservas e disposição do salão.

Crianças pagam valor total em todas as ceias.

Se seu sonho é passar o Réveillon no Copacabana Palace, é bom correr para garantir seu lugar na festa mais disputada do Brasil no dia 31 de dezembro e começar 2016 alguns milhares de reais mais pobre,

Idinando Borges
novembro 29, 2015

AMANHÃ, ATONIO NEVES DA ROCHA LANÇA SEU LIVRO, Mesas do Rio

 

Antonio-IMG_3502

Amanhã, dia 30 de novembro a pérgula do Belmond Copacabana Palace vai ferver.  O top decorador de festas Antonio W. Neves da Rocha lança seu livro ” Mesas do Rio“. Imperdível, livro maravilhoso com o bom gosto carioca mostrado em todo seu esplendor.

Produzido e lançado pela 3R Studio Comunicação, o livro traz uma seleção de 116 mesas inspiradoras, umas mais requintadas, outras mais intimistas, clássicas, barrocas e contemporâneas. A natureza é tema recorrente, trazendo o Rio de Janeiro em seus ângulos mais bonitos, incluindo a Pedra da Gávea, a praia de Ipanema, o Copacabana Palace, o Palácio Itamaraty, a Vista Chinesa e outros.

“Na mesa, celebram-se datas especiais, acordos históricos. Na mesa, as famílias se reúnem, se estabelece a convivência com os amigos. Nela, repartimos o pão, as tristezas e as alegrias. Trabalhamos, jogamos e é, com certeza, sobre ela que vocês vão se debruçar para ler esse livro”, ressalta Antônio

untitled

Com prefácio escrito pelo prefeito Eduardo Paes, “Mesas do Rio” reúne, em 372 páginas, decorações de um grupo sofisticado de amigos convidados, e uma seleção rica das melhores decorações de mesa de Antonio, que imprimem uma experiência de vida. Nas palavras de Eduardo Paes, “Antonio Neves da Rocha é, como o Carnaval e o Réveillon, uma instituição do Rio”.

Idinando Borges
novembro 28, 2015

Duplicação de Adutora vai garantir água para os próximos 50 anos

Da Redação: www.barbacena.mg.gov.br/noticias

Ambientalista destaca ação da Prefeitura para evitar racionamento de água e dar solução ao tema para os próximos 20 anos

 

A obra vai resolver o problema da cidade para os próximos anos

O tema água voltou mais uma vez a ser pauta de grandes discussões no país com a tragédia na região de Mariana e que vem afetando milhares de pessoas por várias cidades mineiras. Quem não se lembra do problema que Barbacena sofreu em abril de 2012 quando houve o derramamento de óleo em um dos afluentes do Rio das Mortes e que prejudicou o abastecimento de água de grande parte da cidade. A situação só não foi pior devido à rápida ação da Prefeitura em firmar parcerias que ajudassem a solucionar o problema. O ambientalista Romeu Fernandes, com 32 anos de carreira no serviço público, chama atenção para a importância da preservação da água e pelo trabalho que a Prefeitura de Barbacena vem realizando para enfrentar o problema.

Na avaliação de Romeu, enquanto várias cidades sofreram e ainda sofrem com o racionamento, Barbacena manteve com tranquilidade seu abastecimento. E a Prefeitura pensando a médio e longo prazo no que ser refere ao abastecimento de água, primeiramente para facilitar a captação no Rio das Mortes, construiu uma barragem, o que foi fundamental para se evitar o racionamento. “Grande parte da água que nós utilizamos vem do Rio das Mortes, é captada na região do Galego, e bombeada por 6 km até chegar na estação de tratamento. A barragem tem dois objetivos que é elevar o curso de água com a finalidade de favorecer a captação e outro com objetivo de direcionar a água para a captação. E com esse investimento a Prefeitura evitará sérios problemas futuros. É importante ressaltar que tudo construído ambientalmente de forma legal”, destacou o ambientalista.

Romeu destaca ainda que uma outra importante obra da Prefeitura é a duplicação da rede de captação de água e com isso o município sai na frente no que se refere ao abastecimento de água. “A adutora da nossa cidade tem mais de 40 anos. A população cresce e temos que fazer com que a captação de água venha a atender a toda a população e essa obra é de extrema importância. Com a construção da barragem vai facilitar muito todo o processo, principalmente depois que a duplicação já estiver pronta.

Duplicação da adutora

Com o objetivo de resolver o problema de abastecimento de água em Barbacena para os próximo anos, a Prefeitura, através do Serviço de Água e Saneamento de Barbacena – SAS, está investimento cerca de R$ 5 milhões, com recurso próprio do SAS, na duplicação de sua adutora. Depois de concluídas, a captação de água do Rio das Mortes, que hoje é de 160 litros por segundo, passará a ser de 450 litros por segundo.

Idinando Borges
novembro 27, 2015

7 DIAS NA TOSCANA POR BABI

DIA 1: Florença
Começamos nossa viagem pela capital da Toscana, onde encontramos 40% do patrimônio cultural Unesco italiano. Por aqui passaram as mais brilhantes mestes do Renascimento: Michelangelo, Rafael, Leonardo da Vinci… Terra dos Medicis, Machiavelli, Dante… Esta cidade respira história, arte e cultura em cada esquina!

 

Um dos pontos mais bonitos de Florença para fotos é o Rio Arno.
A ponte mais famosa também é a mais antiga (1345): Ponte Vecchio, com suas lojas de jóias e o percurso elevado do Corredor Vasariano que liga o Palazzo Vecchio ao Palazzo Pitti.
Outra ponte que merece a sua atenção é a Ponte Santa Trinita, decorada com 2 estátuas de cada lado, personificação das 4 estações do ano.
Todas as pontes de Florença foram implodidas em 1944 por Hitler, com exceção do Ponte Vecchio. A Ponte Santa Trinita foi a única a ser reconstruída igual à original que havia sido projetada por Michelangelo.

 

Em Florença, são vários os pontos panorâmicos: Piazzale Michelangelo, Torre di Arnolfo, Campanile di Giotto e a cúpula do Duomo, de onde foi feita esta foto!
Projetada e construída por Filippo Brunelleschi entre 1418 e 1436 com o inovativo sistema à “espinha de peixe”. Durante a subida é possível ver de perto os lindos afrescos de Vasari e Zuccari com o tema do Juízo Final.
Dica: é possível reservar a subida à cúpula só de domingo! Se não, a solução é acordar bem cedinho e garantir os primeiros lugares na fila! Ingresso 10 euros.
Os 463 degraus valem à pena!

 

Ao longo do ano são diversas as manifestações históricas em Florença. Uma das mais lindas de se ver é a “Cavalcata dei Magi“, dia 6 de janeiro. Centenas de pessoas vestidas à moda renascentista, cavalos, falcões, arqueiros, sbandieratori e músicos desfilam pelas ruas do centro histórico até chegar à Catedral, onde os aguarda um presépio vivo e o bispo de Florença para a bênção.
Uma tradição que tem origem medieval e ganhou força com a Família Medici no Renascimento.
Outras festividades imperdíveis: Lo Scoppio del Carro (Páscoa), Calcio Storico (Junho), Il Carro Matto (Setembro).
Ao fundo, o Batistério de San Giovanni e  a Porta do Paraíso de Lorenzo Ghiberti.
DIA 2: Certaldo, Vinci e Fiesole
Hoje vamos conhecer 3 cidades a menos de 1 hora de distância de Florença.

Primeira parada, Vinci (45 Km), cidade natal do grande mestre Leonardo (1452-1519). A principal atração da cidade é  Museu Leonardiano, com as mais famosas máquinas de Leonardo de construção, têxtil, guerra, relógios, incluindo uma bicicleta e um “carro”.
A casa de Leonardo fica a 3 Km de Vinci, em Anchiano, e contém uma mostra didática permanente.

 

Segunda parada, Certaldo (53 Km).
Embora encontramos vestígios de ocupação etrusca, Certaldo se colocou no mapa em meados do século 12. Esta é a cidade natal do poeta Giovanni Boccacio (1313-1375), autor de Decamerão, que deu continuidade ao “stil nuovo” de Dante e o primeiro a chamar de “Divina” a Comédia do sumo poeta. As principais atrações da cidade são: Casa de Boccaccio e Palazzo Pretorio (foto).
Chega-se à Certaldo Alta através de um funicular.
Evento imperdível: Mercantia (julho), o maior festival de teatro de rua da Itália!

 

Terceira  parada, Fiesole (10 Km), uma cidade de colina com uma maravilhosa vista para Florença!
A história de Fiesole começa com os etruscos (séc. V a.C.), depois invadida por romanos e longobardos. No sítio arqueológico você pode ver o templo de época etrusca, teatro romano, termas e o templo de época romana, tombas de época longobarda.
Na praça principal, Piazza Mino, o programa é comer e bebericar nos diversos restaurantes e bares.
Quem curte fazer trekking, tem que ir no parque Montececceri e subir até o Piazzale Leonardo, onde o mestre fazia seus experimentos de voo. Lindos percursos também para fazer de bike que você pode alugar ali mesmo na praça. O melhor ponto ponto panorâmico você tem da pitoresca Igreja de San Francesco.
Quase todo domingo tem feirinha na praça com temas diferentes: antiguidade, artesanato, gastronomia. Em março tem a corrida de carros Vintage Firenze-Fiesole, onde todos ficam no fim expostos na praça. No verão tem a “Estate Fiesolana”, um festival de música que tem como palco o teatro romano. No dia do Patrono, San Romolo (6 de Julho), tem show de fogos de artifício.
Dia 3: Pisa e Lucca

De Florença, percorrendo a estrada FI-PI-LI, em cerca de 1 hora chegamos à um dos símbolos da Itália: a Torre de Pisa!
Construída entre os séculos 12 e 14, já enfrentou o problema da inclinação durante a construção dos primeiros andares. Alta 56 metros, subindo os 300 degraus chega-se ao topo e à bela vista!
Ingresso 18 euros, compre e reserve o horário de subida com antecedência pela internet!
A Torre de Pisa fica na chamada Piazza dei Miracoli. Não vamos esquecer de visitar também o Batistério de San Giovanni e a Catedral de Santa Maria Assunta, dois belíssimos exemplos de arquitetura românica (séc. 11 e 12).
Além destes monumentos, ainda temos o Museu dell’Opera del Duomo e o Camposanto, um cemitério histórico monumental. Seu nome deriva da tradição de ter ao seu interno terra do Monte Calvário trazida por um bispo ao retorno das cruzadas.

 

A somente 20Km de Pisa, encontramos Lucca, a cidade das 100 igrejas!
Uma das mais bonitas delas é o Duomo di San Martino (foto), com sua curiosa fachada assimétrica, a rica decoração das coluninhas e de elementos simbólicos misteriosos.
Outras igrejas que não passam desapercebidas são a de San Michele in Foro e a de San Frediano, uma das mais antigas de Lucca (séc. 6?) com seu magnífico mosaico bizantino na fachada.
DIA 4: Arezzo e Cortona
De Florença, pela Autostrada A1, chegamos em cerca de 1 hora à Arezzo.
A Piazza Grande (foto), é uma das praças mais bonitas da Itália, com construções de diferentes épocas e estilos: a Pieve di Santa Maria românica, Palazzo del Tribunale barroco, Palazzo della Fraternità dei Laici gótico e Palazzo delle Logge renascentista. Do lado oposto, uma série de torres góticas.
Esta praça é o cenário da Giostra dei Saracini (junho e setembro), um torneio de cavalaria, e também do filme italiano “A Vida é Bella” de Roberto Benigni que aliás nasceu em Arezzo. Esta também é a terra natal de Michelangelo que nasceu em 1475 em Caprese, uma cidadezinha próxima daqui.

 

Outro evento que acontece na Piazza Grande de Arezzo é a “Fiera Antiguaria“, um dos mercados de antiguidade mais tradicionais da Itália, que desde 1968 acontece todo primeiro domingo do mês!
Se você adora vasculhar neste tipo de mercado e sua visita à Arezzo não coincidir com a feira, não se preocupe, pois a cidade é repleta de lojas do gênero!

 

De Arezzo, em 30 minutos chegamos na lindinha Cortona. Este nome com certeza irá te lembra um filme que faz nós mulheres suspirarmos… É a cidade de Sob o Sol da Toscana!
Embora seu aspecto atual seja medieval, é umas das cidades mais antigas da Itália. Era uma das dodecapoli etruscas, depois invadida pelos romanos e bárbaros.
O cantor italiano que eu adoro, Jovanotti, nasceu aqui!

 

O meu restaurante preferido de Cortona!
DIA 5: Cidades do Chianti
Hoje vamos fazer um passeio enogastronômico pelo Chianti, território entre Florença e Siena onde na paisagem predomina os vinhedos de Sangiovese, a uva principal do Chianti Classico, e as oliveiras que produzem o azeite toscano.
As cidades que visitaremos hoje são: Greve in Chianti, Panzano in Chianti, Castellina in Chianti, Radda in Chianti

 

De Florença, percorrendo a Via Chiantigiana, a primeira parada é Greve in Chianti.
Na grande praça principal, Piazza Matteotti, fica a famosa Macelleria Falorni onde degustar salames e presuntos de produção local.
Todo último domingo do mês tem mercadinho de produtos biológicos (foto).
Para os amantes de vinho, imperdível a Expo Chianti Classico (setembro), feira de degustação com mais de 100 produtores da região do Chianti.

 

Segunda Parada, Panzano in Chianti.
A cidade é dividida em alta e baixa. A primeira (foto) é mais antiga e tem uma linda vista para a “conca d’Oro“, onde ficam uma das melhores produtoras do Chianti. Na cidade baixa fica o famoso restaurante do Dario Cechini, especializado em carne.

 

Segunda parada, Castellina in Chianti.
Uma delícia passear pela Via delle Volte (foto), um tipo de túnel com várias galerias de arte e fotografia. Na rua principal externa, diversas lojas de vinho.

 

Quarta parada, Radda in Chianti.
Atrações imperdíveis da cidade: se perder pelas ruinhas estreitas, tomar um copo de vinho, ver o dia passar sentado em um banquinho do mirante. Se posso resumir em uma única palavra o Chianti… Slow Travel.
Apresentei 4 cidade, mas não aconselho fazer todas em um único dia. Aqui não tem tempo para pressa! ;)
DIA 6: San Gimignano e Siena
Saindo de Florença pela estrada Firenze-Siena, nossa primeira parada é San Gimignano, a Manhattan italiana! A cidade ganhou esse apelido por causa das suas 14 torres medievais que se destacam no horizonte de colinas suaves… San Gimignano se colocou no mapa no século X e durante os 3 séculos que se seguiram contava com mais de 70 torres!

 

Não tem como não se apaixonar por San Gimignano! Esta é a Piazza della Cisterna, onde fica a Torre del Diavolo e uma das sorveterias mais famosas da Itália! Quem provou, não esquece!

 

Segunda e última parada do dia, Siena.
Na Piazza del Campo encontramos o Palazzo Pubblico (foto) com a Torre del Mangia, a segunda mais alta da Toscana com 87 metros! Ao redor da Praça, diversos restaurantes e bares.
Esta praça é o cenário principal do famoso Palio de Siena, uma super tradicional corrida de cavalos que acontece duas vezes ao ano, Julho e Agosto.

 

Em Siena, não deixe de entrar no Duomo. Por dentro é tão maravilhoso quanto fora! Você encontra obras de Michelangelo, Donatello, Bernini, o incrível púlpito de Andrea Pisano de época gótica e a biblioteca Piccolomini, com afrescos de Pinturrichio e seu jovem ajudante Rafael.
O pavimento da catedral de Siena é tão importante que por motivo de conservação permanece coberto por metade do ano. Retrata 56 cenas religiosas feitas em mosaico de mármore por diferentes artistas entre 1300 e 1800.
DIA 7: Val d’Orcia

Com base em Siena, vamos conhecer a Val d’Orcia, territorio ao sul de Siena, declarada patrimônio Unesco.
A paisagem é caracterizada pelas colinas suaves, os campos dourados, casinhas de pedra e ciprestes. Aqui ficam as cidades onde produzem um dos vinhos mais famosos da Itália, Nobile di Montepulciano e Brunello di Montalcino, sem se esquecer da romântica Pienza!
Pienza, a cidade do papa humanista Pio II, responsável pela reurbanização da cidade que de borgo medieval passou a ser modelo de cidade ideal. No século 15, Pio II encomendou à Bernardo Rossellino o projeto urbanístico da primeira cidade renascentista. Corsignano passou então a ser chamada de Pienza, em homenagem à Pio.
Finalizo a minha participação no RBBV com uma paisagem que todos sonham ver pela Toscana! A época mais provável de ver os campos de girassol é em Junho. Espero que tenham gostado das minhas dicas e
Idinando Borges
novembro 26, 2015

A Talentosa Olga Araújo Klein e o seu Natal

 

1A                              

Ela carrega dois sobrenomes de conceito em Barbacena: Campos e Araújo, mas ao casar adotou o Klein, do médico Emerson Klein. Privilegiada,quando jovem fez intercâmbio cultural nos EUA, estudou letras e atuou na diretoria de uma grande instituição financeira na capital.  Mãe de três filhos, manteve vínculos fortes com a casa de seus pais.  No final dos anos 90, montou a bonita loja, intitulada “Perfumaria Glória”, hoje uma loja de variedades. Além do bom gosto, desenvoltura para compras, Olga é conhecida por sua alma generosa e uma dedicação exemplar para com sua mãe. Trava diuturnamente uma batalha para cuidar do filho especial, o que a faz digna de admiração e respeito. Ela é a responsável pelo “Esplendor de Natal” da Perfumaria Glória.

Esplendor de Natal –  Mantendo a tradição dos presépios, Olga Araújo Klein trouxe vários modelos de presépio, peças importadas da Indônesia com variedades de tamanho e composição. Há também outros artigos alusivos ao Natal e também uma varieade de presentes para todos os tipos de afeto e relacionamentos. Rua Lima Duarte, 17.

SINDICOMERCIO - Encontro, 27 outubro 007

4

Idinando Borges
novembro 26, 2015

EDUARDO FERREIRA E O GRUPO DE NOIVAS E NOIVOS DE BARBACENA

Foto de Eduardo Ferreira - Fotógrafo.
Eduardo Ferreira – Fotógrafo

Hoje alcançamos um marco no grupo Noivas e Noivos Barbacena e Região. Somos lideres em participantes no segmento de casamento na região. Informações e negócios para os interessados no dia mais que especial. Os profissionais estão se preocupando dia-à-dia com esta temática. Quem ganha são vocês: Noivas e Noivos.

Marcio Cleber
novembro 26, 2015

Espetáculo de Dança do Cefec apresenta ‘Frozen: uma aventura congelante’

Como já é tradição em Barbacena e muito esperado pelos moradores é a apresentação do espetáculo de dança do Centro Ferroviário de Cultura – Cefec. Este evento, que encanta a todos que assistem acontecerá na próxima segunda-feira, 30, às 19h30, no Auditório Brigadeiro Eduardo Gomes da Escola Preparatória de Cadetes do Ar – Epcar.  Assinam a direção artística e coreografias as professoras Lydiane Winter, Rhaissa Lisboa e Valéria Nascimento, que há 7 meses vêm realizando a preparação dos cerca de 200 bailarinos do Cefec, com idades compreendidas entre 3 e 30 anos,  para a estreia do espetáculo.

Foto 7 - Mariana Foto 8 - Beatriz Foto 1 - CAROLINA Foto 2 - CLARISSA Foto 3 - ROBERTH Foto 4 -  VINICIUS Foto 5 - LETICIA Foto 6 - ANA LUISA

Fotos: Deliane Dani

Os convites para o evento são limitados e podem ser trocados por 1kg de alimento não perecível, diretamente com as alunas do Cefec. É importante frisar que a entrada na portaria da Epcar, ocorrerá somente com a apresentação do convite. Não haverá posto para a troca de alimentos por convites no local, antes do início do espetáculo.

O tema escolhido para este ano é atual e um dos preferidos pelas crianças e adolescentes. Trata-se de uma adaptação livre do filme ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’, que narra a vida de aventuras das irmãs Anna e Elsa, junto ao fiel amigo Kristoff e sua inseparável rena de estimação chamada Sven, no Reino de Arendelle. Neste conto de fadas contemporâneo, o vilão é o Príncipe Encantado! A magia se completa com o boneco de neve Olaf: que adora ganhar abraços quentinhos e entra na história para ajudar as princesas…

Importantes parcerias foram firmadas no ano de 2015, para que o evento alcance absoluto sucesso e o corpo de dança do Cefec volte a se apresentar no palco do Auditório da Epcar. “Prezamos pela qualidade do trabalho construído junto aos nossos alunos e pais. Este ano, pudemos contar com o incentivo e a sensibilidade imprescindíveis de diversas autoridades da Epcar e do Município de Barbacena que nos apoiaram na promoção da arte da dança, disse as professoras”

O Centro Ferroviário de Cultura, vinculado à Secretaria Municipal de Educação, Deporto e Cultura –    oferece cursos de ballet clássico, jazz, dança de salão, dança do ventre, ginástica olímpica, karatê, pintura, desenho e teatro. Maiores informações, na Praça Adriano de Oliveira, telefone (32) 3333-4142.

 

Idinando Borges
novembro 26, 2015

PREFEITO PARTICIPA DE ABERTURA DO 105º ENCONTRO DAS CIDADES POLOS

Da Redação, PMB

Prefeito de Uberaba, Paulo Piau, prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, prefeito de Barbacena, Toninho Andrada e prefeito de Montes Claros, Rui Muniz, durante a abertura do evento

Montes Claros recebe nesta terça-feira, 24 de novembro, o 105º Encontro de Cidades Polo de Minas Gerais. Entre os nomes que participaram da abertura do evento hoje pela manhã, estão o do presidente da Frente Municipal de Prefeitos de Minas Gerais e prefeito de Uberaba, Paulo Piau, o do presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, o do vice-presidente da FNP e da Associação Mineira de Municípios – AMM, prefeito de Barbacena, Toninho Andrada, o anfitrião, prefeito de Montes Claros, Rui Muniz, entre outras autoridades federais, estaduais e prefeitos das cidades Polo.

O encontro está sendo realizado na Sociedade Rural de Montes Claros, e teve início às 8h30 e o encerramento está previsto para a 18 horas. O evento, além de debater as dificuldades atualmente enfrentadas pelos municípios brasileiros, terá uma palestra com o tema “Políticas públicas de responsabilidade fiscal – Iniciativas de Montes Claros”.

O prefeito Toninho Andrada disse que o encontro das Cidades Polo é um dos principais eventos do Estado, por reunir as maiores cidades de Minas. Ele ressaltou ainda que, principalmente neste momento de crise, é muito importante a troca de experiência e o debate das questões municipalistas.

Pauta

Vários temas estão sendo tratados no encontro, entre eles a discussão da divida com o INSS e encaminhamento de um movimento junto ao Governo Federal para novo parcelamento da divida, nos moldes da Medida Provisória nº 457, de 10 de fevereiro de 2009 que dispunha sobre parcelamento de débitos de responsabilidade dos Municípios; linha de financiamento disponível para viabilizar investimentos públicos que tenham como resultado a redução das emissões dos gases de efeito estufa. Lei n.º 21.735 de 03 de agosto de 2015; parcelamento, remissão e anistia da divida estadual e a parcela dos municípios. Esses são alguns dos debates que vai tomar conta do evento.

Na oportunidade, os prefeitos também compartilham a realidade de cada município, considerando, principalmente, este momento ímpar em que o país, os estados e os municípios se vêm diante da crise econômica, que tem sérios efeitos nos repasses federais, comprometendo consideravelmente as finanças municipais.

O prefeito Toninho Andrda tem aproveitado a oportunidade para conversar diversos assuntos municipalistas com o prefeito de Belo Horizonte e presidente da FNP, Márcio Lacerda. Toninho se reuniu também com o senador Fernando Bezerra (PSB/PE) e com o prefeito anfitrião, Rui Pimenta, que na ocasião se filiou ao PSB. Na pauta, assuntos de interesse do município de Barbacena, através da troca de experiências e apoio no Senado Federal para projetos do município.

Facebook Email Twitter

Prefeitos debatem assuntos municipalistas

Márcio Lacerda , Toninho Andrada e o senador Fernando Bezerra (PSB- PE)