Idinando Borges
maio 22, 2018

SEMINÁRIO – Resgate da memória italiana

Evento propõe criação de um portal com dados de acervos públicos e particulares de Brasil e Itália

img58cc5943e364a

A Consul Aurora Rassi

LITZA MATTOS ( O Tempo)

Minas Gerais poderá ter em breve um portal dedicado à imigração italiana no Estado, com o objetivo de preservar, organizar e servir de consulta aos dados presentes em acervos públicos e particulares do Brasil e da Itália. O projeto deverá ser um dos resultados dos trabalhos a serem apresentados durante o 8º Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais, que será realizado em Belo Horizonte, de 28 de maio a 2 de junho.

 

No Brasil, Minas Gerais é o terceiro Estado com a maior colônia italiana, depois de São Paulo e Rio Grande do Sul, e, segundo o consulado na capital mineira, mais de 27 mil cidadãos italianos estão registrados atualmente no território mineiro. Além deles, considera-se que 30% da população mineira é de origem italiana. Conforme adianta a organizadora do evento, Giusi Zamana, o portal mineiro deve ser planejado e inspirado no que já é feito pelo programa Imigrantes, no Espírito Santo. O projeto do Estado vizinho usa de forma interativa fontes documentais como estratégia de mediação cultural e preservação da memória ítalo-capixaba.

“O que nos chama atenção no projeto do Espírito Santo é o formato itinerante. A equipe do Arquivo Público capixaba se desloca pelas cidades do interior para encontrar documentos e fornecer certidões de entrada de todos os imigrantes, não apenas italianos”, explica Giusi.

Para a construção dessa ferramenta em Minas estarão presentes no evento diretores responsáveis pelos Arquivos Públicos de Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo, além de historiadores e especialistas brasileiros e internacionais na área de arquivologia.

“O objetivo do portal da imigração italiana em Minas Gerais é ser um arquivo para a preservação de acervo de dados, para que isso não se perca, além de servir para consulta de forma interligada aos outros arquivos de banco de dados. É também para facilitar a reconstrução da história familiar e da árvore genealógica para todos que estão em busca das próprias origens e obtenção da cidadania italiana”, explica a organizadora.

Um dos destaques é o palestrante Stefano Vitali, diretor do Sistema Nacional de Arquivos do Ministério do Patrimônio Cultural e Atividades Culturais, na Itália, e coordenador do portal Antenati, conectado a todos os arquivos públicos do país e muito procurado por brasileiros.

O portal possui muitos acessos de brasileiros, segundo Giusi, porque nele é possível encontrar toda a documentação necessária para a reconstrução da árvore genealógica, como certidões de nascimento e de casamento de bisavós e outros antepassados.

Despedida. O Seminário da Imigração Italiana em Minas Gerais coincidirá ainda com as celebrações da Festa da República Italiana, celebrada todo dia 2 de junho, e com a despedida da cônsul da Itália em Belo Horizonte, Aurora Russi, que, após quatro anos de mandato, deixará o cargo.

“Ela foi uma cônsul jovem, competente e muito ativa, que vai deixar um legado enorme, com grandes resultados, além da simpatia”, diz Giusi. Um dos legados de Aurora foi a inauguração, em fevereiro deste ano, da nova sede do consulado italiano na capital mineira, situado na Savassi e com horário de atendimento estendido ao público.

Programação

8º Seminário da Imigração Italiana em MG:

Segunda (28), terça (29) e quarta (30) – Das 17h às 19h: Minicurso “Iniciação à pesquisa genealógica de famílias italianas” – Das 19h às 21h: Minicurso “Introdução à metodologia da história oral”

Sexta (1º), às 19h: Abertura oficial com pronunciamento da cônsul da Itália em BH, Aurora Russi, e conferência “O poder dos arquivos: Memória, identidade, raízes”

Sábado (2), às 9h – Mesas e palestras: – Pesquisas de registros de imigrantes em SP, MG e ES – 10h: “Imigração italiana: Bastidores da pesquisa, arquivos e documentos” – 11h: “Emigração italiana: Tecendo uma rede integrada de informações no Brasil e na Itália” – 14h: “As especificidades da imigração italiana no Sul de Minas: Um estudo de caso em Andradas” – 14h30: “Famílias italianas e a formação do território ‘italianizado’ em Itueta e Santa Rita do Itueto” – 16h: “Imigração italiana em Varginha (MG)” – 16h20: “A sociabilidade italiana em Juiz de Fora: Italianos-maçons e a Unione Italiana Benso Di Cavour” – 16h40: “Américo René Giannetti: Plano-programa de administração para Belo Horizonte (1951-1954)” – 17h30: Encerramento

 

image

O embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini, participou da inauguração do espaço

Idinando Borges
maio 21, 2018

Quem quebrou Minas Gerais? Por Vittorio Midiolli

PUBLICADO EM 20/05/18 – 04h30ouro-preto-minas-gerais        Boa pergunta. As contas do governo de Minas Gerais indicam para 2018 um déficit anual de R$ 6,3 bilhões, o mais negativo entre os registrados em todos os Estados da Federação. Não parou aí. Os últimos dados levam para um resultado ainda pior, R$ 8 bilhões. Isso apesar de termos as maiores alíquotas de ICMS do Brasil sobre energia, combustíveis e qualquer outro item que se possa lembrar. Ou seja, passamos do limite de tributar, e nem por isso demos conta de regular as contas públicas.

Já que o ano é de eleição para governador, e o futuro preocupa o cidadão, seria interessante esclarecer-se, antes que a campanha eleitoral fosse intoxicada pela demonização dos adversários, quais as causas e as origens da desgraça.

Então, seja quem for o próximo governador, precisa comprometer-se com as propostas de reparar erros anteriores (que foram muitos e graves) e dar rumos novos. Já que temos ex-governadores no páreo, deveriam se penitenciar pelos erros, pelas omissões em seus mandatos; assim passarão a ter mais credibilidade.

Repetir a dose seria imperdoável.

Minas não tem mais décadas para desperdiçar empobrecendo seu povo. Sua elite política e empresarial, desculpem-me os senhores, está mais para leviana que para séria. Ganhar, ganhar fácil, pegar carona em privilégios e se locupletar nos cofres públicos: isso adoeceu o sistema linfático do Estado, e ainda estamos gestando novas gerações que serão problemáticas.

A passividade fez perder o protagonismo de Minas, esquecer-se do exemplo de um JK. Os 40 anos em quatro? Em seis anos Minas encolheu 20%.

É preciso inovar, desfazer-se de equipes destituídas de respeito, algumas notadamente inconfiáveis e fracassadas. É preciso responder ao eleitor. Neste ano terá uma campanha dura, e ainda pior poderá ser o exercício de um governo alcançado com compromissos espúrios.

Não acredito que encontrarão na campanha momentos fáceis, ou que poderão os candidatos usar suas siglas partidárias, seus padrinhos de sempre para angariar simpatias. Fantasmas sairão dos armários, e os esqueletos sairão dos túmulos para assombrá-los.

Minas não precisa de outro choque de gestão, que fez do Estado uma Disneylândia da burocracia, dos privilégios, e terreno fértil para corruptos. O choque colocou nas gavetas 30 mil pedidos de instalação de atividades econômicas, colocou no congelador milhões de empregos e bilhões em receitas públicas. A crise em Minas está aí, na falta de visão, de decisão e até de moral para diferenciar o certo e o errado, abrindo a porta para fraudes, como a de Mariana, e travar pequenos e médios empreendimentos corretos.

Um BDMG que nos três vales da pobreza de Minas investiu menos de 1% de seus recursos. Essas são questões gravíssimas, que podem se repetir e violentar o Estado com desequilíbrios, migrações em massa. Temos as regiões mais pobres com um PIB per capita cinco vezes inferior ao da outra.

Não existe certamente um único culpado, mas um ambiente poluído de espertezas e de irresponsabilidades generalizadas.

Os males são evidentes, a pior fratura nas contas públicas, segundo o Ipea: “A despesa com previdência passou de 24,7% da receita líquida em 2010, para 28,9% em 2014 e para 36,1% em 2016, superando por um décimo o Rio Grande do Sul, que sempre ocupava a primeira posição”. Comprometeu-se assim mais 11,4% das receitas, em seis anos, uma overdose mortal, não determinada no atual governo, mas no escalonamento de acertos sancionados a partir de 2009.

Pesa também o crescimento econômico negativo, constantemente travado pela burocracia do choque de burocratização que anulou a previsibilidade do planejamento. Minas encolheu de 2013 a 2016 assombrosamente. Perdeu 20% de seu PIB, enquanto Santa Catarina, apesar da crise nacional, marcou crescimento no mesmo período. Exatamente porque as políticas e decisões no âmbito do Estado podem fazer grande diferença. E Santa Catarina é o Estado mais ágil e acolhedor das atividades que geram emprego e renda. Um Estado que não escancarou suas estatais a empreiteiras da Lava Jato.

A campanha já começou mal, reeditando os acordos malucos de bastidores, esquecendo as propostas e programas. Como sempre, o poder pelo poder. O dejá-vu dos acertos com partilhas nefastas. Que dor!

Marcio Cleber
maio 18, 2018

Barbacena Card apresenta sistema de cadastramento para colaboradores usuários de vale-transporte

O sistema de cadastro do Barbacena Card que está sendo implantado no transporte coletivo urbano da cidade foi apresentado na manhã desta quinta-feira, dia 17, a diversas entidades como Associação Comercial e Industrial de Barbacena – ACIB, o Sindicomércio, a Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL de Barbacena, ao Sindicato Rural de Barbacena e a colaboradores da empresa Cidades das Rosas. O objetivo foi também explicar aos responsáveis pelos setores de Recursos Humanos e Departamento Pessoal de empresas como funciona o cadastro e o carregamento dos vales-transporte para os funcionários que fazem uso do benefício.

 

Toda explanaBarbacena Card 1 Barbacena card 2ção foi realizada pelo técnico Paulo Henrique, da ProdataMobility Brasil, empresa que desenvolveu o sistema, que teve a oportunidade de explicar como funciona todo o processo de cadastramento e carregamento. Com a implantação do Barbacena Card, as empresas poderão fazer mensalmente o crédito online do valor dos vales-transporte, sem a necessidade de ir à Central de Atendimento para retirar os vales impressos. O colaborador, por sua vez, vai receber gratuitamente o seu Barbacena Card Vale-Transporte e, assim que a empresa confirmar o crédito, o valor das passagens estará disponível para uso.  Dessa forma, tanto empregadores quanto empregados poderão contar com um sistema mais moderno, ágil, seguro e confortável.

Presente no encontro estava o presidente do Sindicomércio de Barbacena, o empresário Osvaldo Fernandes. “A implantação do Barbacena Card pela Cidade das Rosas é de extrema importância para toda cidade. Esta modernidade proporcionará uma redução dos custos para as empresas que não vão mais ter que deslocar funcionário até a Cidade das Rosas para buscar os vales. Como tudo será online, diminuirá os custos da empresa, ganhará mais agilidade no processo dentro da empresa”, pontuou.

O primeiro passo para que o Barbacena Card Vale-Transporte comece a funcionar é o cadastramento dos colaboradores no sistema. Esse cadastramento deve ser feito pelo empregador, para cada um e em nome de cada um de seus funcionários. A partir desse cadastramento, os cards serão impressos pelo Barbacena Card e disponibilizados à empresa para que possa disponibilizá-los aos seus colaboradores. A partir daí, também por meio do sistema online, as empresas passarão a creditar mensalmente os valores do vale-transporte. Simples, sem burocracia, mais seguro e eficiente.

A novidade está agradando às empresas. “A Rede Sales já tem algumas de suas filiais em outras cidades que utilizam desta modernidade de aquisição do cartão eletrônico de transporte coletivo. E este sistema do Barbacena Card traz um ganho enorme para a empresa, porque se resolve com mais rapidez, não precisará ficar deslocando funcionário para buscar o vale-transporte, além de gerar economia para a empresa”, pontuou Edilson Aguiar, gerente de Departamento Pessoal da Rede Sales Supermercados.

Quem também destaca a positividades da implantação do Barbacena Card é Adélia Maria Garcia Paolucci, Gerente de Departamento Pessoal da empresa Rivelli: “O Barbacena Cardvai diminuir muito nosso trabalho dentro da empresa, pois não vai ser preciso ficar separando  vales-transportes para os funcionários e esse tempo gasto para isso poderá ser utilizado para outro serviço.  Tudo sendo online e com o uso do cartão o ganho é total em toda o sistema, gerando ainda redução de custos”, disse.

Todos os serviços – tanto o cadastramento quanto o crédito mensal dos vales-transporte – podem ser acessados via site www.barbacenacard.com.br, na área destinada aos serviços para empresas. Por enquanto, só está disponível o serviço de cadastramento dos colaboradores. Essa fase é muito importante no processo de implantação, pois é a primeira e mais trabalhosa etapa já que precisam ser lançados dados completos de cada colaborador. Por isso, o Barbacena Card orienta as empresas que já comecem a fazer os cadastros a partir de agora.

“O sistema já está apto a receber os cadastros das empresas. É só acessar o site, cadastrar e a empresa inserir os dados dos funcionários. Isso feito, nós já poderemos começar a imprimir os cartões e as empresas já podem entregá-los aos colaboradores com tranquilidade e antecedência. Depois, quando o Barbacena Card começar a operar, bastará fazer o crédito dos valores via sistema e os funcionários poderão usá-los na ida e na volta do trabalho”, comenta Janaina Fonseca, Gerente Administrativa da Empresa Cidade das Rosas.

Todas as empresas da cidade já podem iniciar o seu cadastramento pelo site e o Barbacena Card já tem uma equipe treinada e qualificada a esclarecer dúvidas nesse momento de implantação. Caso as empresas tenham necessidade de algum esclarecimento, podem usar o telefone 32-3332-3107, whatsapp 32-98408-0671 ou pelo e-mail contato@barbacenacard.com.br

Por enquanto, o cadastramento está sendo feito apenas para a modalidade vale-transporte voltada para as empresas. Para as pessoas físicas, o cadastro será aberto posteriormente. A previsão é de que o Barbacena Card comece a operar em 1º de julho, ou seja, a partir desta data as pessoas poderão usar os cartões nos validadores dos ônibus. No entanto, os usuários podem ficar tranquilos, pois haverá tempo suficiente para cadastros, emissão de cartões e crédito nos cards. As passagens também poderão ser pagas em dinheiro e os vales-transporte impressos em papel serão emitidos até o mês de agosto, para que todos os usuários tenham oportunidade de receber o seu Barbacena Card a tempo.

“Uma grande conquista para o município, o Barbacena Card. Depois que as empresas tiverem com todos seus funcionários cadastrados, vão ter uma aquisição mais rápida na compra do vale-transporte para os funcionários. Menos burocracia, mais automatização, o que é importante, porque tempo hoje representa um custo enorme para os empresários. Com estas facilidades implantadas, certamente teremos uma redução de custos e mais agilidade no trabalho como um todo”, ressaltou Flávio Dani Franco, empresário e presidente da ACIB.

O Barbacena Card

O Barbacena Card é o sistema de bilhetagem eletrônica que a empresa Cidade das Rosas, operadora do transporte coletivo urbano, está implantando na cidade.  Os ônibus já estão adaptados ao novo sistema de cobrança, que tem como objetivo tornar o acesso ao transporte público mais moderno, ágil e seguro.

O sistema de bilhetagem eletrônica vai possibilitar que o usuário pague suas passagens por meio de um cartão magnético pré-pago que funciona por simples aproximação com o validador, equipamento de leitura do cartão, que será instalado junto às catracas. O valor da passagem é descontado dos créditos do cartão e o acesso é liberado automaticamente. Com isso, o serviço ficará mais muito mais rápido.

Benefícios para os usuários

– Agilidade no embarque, diminuindo o tempo de viagem;

– Maior segurança nos ônibus e pontos de ônibus em virtude da redução do volume de dinheiro e vales circulantes;

Sobre a Cidade das Rosas

Há mais de 30 anos na área de transporte de passageiros, a Cidade das Rosas é uma empresa que se consolidou pela eficiência e qualidade do seu serviço, proporcionando conforto e segurança, viagens tranquilas e agradáveis.

Transportar passageiros é uma tarefa que exige responsabilidade. Por isso, a Cidade das Rosas possui uma frota de veículos modernos, com alto padrão de manutenção, e colaboradores preparados para atender as exigências do transporte profissional de pessoas.

Fotos: Márcio Cleber

Idinando Borges
maio 16, 2018

#navegandopelopresente – Do FB por Áurea Vasconcelos Grossi

13 de  maio lei aurea

 

 

 

 

 

 

Não tenho a pretensão de ser politicamente correta. Mas, nesta manhã de domingo, treze de maio, meu pensamento  criou  asas divagando por entre a ternura  e a saudade de minha mãe, pela aparição de Nossa Senhora de Fátima em Portugal e pela pena de ouro cravejada de brilhantes com que a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea.  Logo percebi  que as comemorações deste dia envolviam um momento  propício a reflexões. O amor filial e os sentimentos advindos da fé,  pela força da própria  incondicionalidade, cederam espaço à abolição da escravatura.

Um mergulho no tempo nos permite desvendar o cenário que esclarece este ato ousado para os parâmetros patriarcais daquela época. Há exatamente cento e trinta anos, o país assistia ao crescimento de um clima de anarquia devido à fuga de escravos além de  movimentos contrários ao sentido de propriedade e ordem social. Razões suficientes para que fosse extinto o regime de escravidão através de um decreto cujo nome evoca o quanto valioso e brilhante o foi. Certamente muitas aparas tiveram de ser feitas e muitos desafios foram vencidos. Aspectos humanitários  e perspectivas de justiça serviram de alicerce  para o enfrentamento da causa. Concretiza – se  a libertação dos escravos. E um novo e honroso destino foi traçado.

Mas o tempo passa, as mudanças acontecem, os rumos se alteram. As conquistas são outras.  E, infelizmente, hoje, apesar de todas as benesses e progressos da vida moderna, nos deparamos com um preocupante  panorama da atualidade.  Estamos sendo vítimas de uma ordem social anárquica, onde somos colocados cara a cara com incertezas futuras, com a falta de escrúpulo de grande parte dos homens públicos, com a incompetência de gestões em todos os âmbitos, com a falibilidade de valores e princípios humanos, com total desestabilização econômica,  com uma incontrolável violência e sobretudo, com as maiores nuances de insegurança…  e ainda muito mais!

Há que se admitir que, embora em circunstâncias diferentes, os cidadãos vivem situações de opressão, de submissão a uma elite dominante nem um pouco merecedora de elogios. É  onde desejo chegar com meu raciocínio.  Qualquer forma de  sujeição onde  se contrapõem  fortes e fracos torna – se  uma forma camuflada de “escravidão”. Neste paralelo entre as duas épocas, é fácil constatar que, a exemplo do passado, estamos precisando reagir.  Dispensamos a pena dourada cravejada de brilhantes  mas queremos um tempo novo onde seja possível acreditar naquilo que está por vir e nas pessoas que têm a função de liderança. Temos que enxergar a realidade, fazer valer nossos direitos e procurar todos os instrumentos possíveis que permitam uma participação efetiva junto ao poder. Cada um de nós deverá ser um multiplicador do incentivo a esta reação. Nossa primeira arma  é o exercício da cidadania através do voto consciente. Pensar muito! Escolher bem! Não há como esquecer que as urnas serão nossas alavancas para um destino mais ético e justo.

Não será uma trajetória fácil, mas possível. A luz começará a surgir no fim do túnel quando sinalizar que o cidadão brasileiro, através do processo eleitoral, já não se deixa submeter aos desvarios do sistema. Será, sem dúvida, alimento para nossas esperanças,  reforço  para o respeito que merecemos e caminho em direção aos sonhos, mesmo que ainda longínquos…

Elton Belo Reis
maio 14, 2018

DIA 13 DE MAIO DATA MAÇÔNICA A SER COMEMORADA

Sabe-se que a maioria dos movimentos liberais ou emancipacionistas, nos séculos XVIII e XIX, teve na Maçonaria seu núcleo formador. Constituem exemplos: a Conjuração Mineira (1789), a Conjuração Baiana (1798), a Revolução Pernambucana (1817) e a Confederação do Equador (1824). Da mesma forma, a atuação dos maçons não foi diferente com relação às questões do espaço fronteiriço platino no período de 1835-185, ou seja, a Guerra dos Farrapos (PADOIN, 2000). Posteriormente a esses eventos elencados, a Ordem Maçônica também marcou presença na Abolição da Escravidão (1888) e na Proclamação da República (1889) (GIL, 2011; SILVA, I. B., 2007).

Em Barbacena, no interior do Templo da Loja Maçônica Regeneração Barbacenense, aconteceu uma

Manifestação pronunciada em Loja na Sessão Festiva  do dia

                             18 de maio de 1925

Irmão Venerável

Caros irmãos ;

Distintos e Poderosos irmãos visitantes

Mais uma vez, meus irmãos, esquecendo-me da minha personalidade e do obscurantismo da minha inteligência, ouso  erguer-me entre vós, a fim de proporcionar-vos o desprazer de suportar as desarmonias das minhas palavras nesta pálida oração.

Perdão, meus irmãos! Perdão para o ousado, que sendo o menor dentre vós, todavia sente-se orgulhoso em cultivar o opulento jardim de nossa História Pátria, e que, de quando em vez, não trepida em formar ramalhetes, imperfeitos embora, de fatos que se relacionem com nossa Sublime Ordem e que, nesse jardim maravilhoso, proliferam exuberantemente, convidando-nos ao estudo e à meditação.

Perdão para o ousado, meus irmãos! Perdão porque,  certo entre nós,  artistas haverá  que,  com talento , precisão e maestria pintariam, com justas cores e em toda sua pujante beleza trágica, este quadro da história de nossa Pátria e sobre o qual  eu apenas poderei palidamente bocejar…

Refiro-me, meus irmãos, à data magna de nossa história:

Maior do que o 7 de setembro;  maior do que  o 15 de novembro; maior que todas, porque representa a ressurreição de uma raça:

13 de maio de 1888!

Na adolescência , quando sentimos abrir na alma o livro da criação, e que o pensamento descerra as asas e, num primeiro surto, adeja, sobe e percorre o espaço azul do firmamento: é num supremo êxtase (cuja saudade  nos punge por todo o sempre) que nos deslumbramos  ante as maravilhas da criação toda embebida em luz __ toda resplandecente em excelsa bondade de Deus, nesse banho de luz e da mais ampla liberdade tomado  na amplidão do infinito, é ele  o elixir que nos fortifica a alma para lutas da existência; elixir cujos doces eflúvios  só se extinguem quando um último raio de esperança nos foge como um derradeiro sopro de vida…

13 de maio princesa

Irmãos! Dentre todas as maravilhosas conquistas do engenho humano __ e particularmente pela maçonaria__ empreendidas pela senda luminosa do progresso __ nenhuma, seguramente, é tão grandiosa e bela, tão belamente majestática e tão auspiciosa como a que se  realizou em prol da Liberdade: e tal grandeza, e tal bem aventurança aviltam quando, transpondo as raias das coisas  materiais, se constituem num bem altamente moral de efeitos duradouros, isto é, quando a liberdade conquistada é a liberdade do próprio Eu, ou a liberdade de crer, de pensar e de querer, ou a liberdade de consciência; essa liberdade peregrina, que um  mavioso poeta  do século passado chamou de “ esposa do porvir “ __ noiva do sol” __ Essa Liberdade sem par, da qual o gênio relutante de Ruy Barbosa, numa das mais belas sensibilizações__ prefaciando  “ O Papa e o Concílio” , disse:

“ de todas as liberdades sociais, nenhuma é tão justificativa e tão civilizadora e tão filha do Evangelho, como a Liberdade religiosa”.

É a liberdade, meus irmãos, o ar e sol da bem aventurança do Criador ; é a  maior de todas as graças que ele legou a todas as criaturas e que estas, no entanto, para gozá-La, conquistam-na através de   dificuldades sem conta e de mil perigos…

E como é sempre grato e nobre e edificante lembrar uma dessas conquistas e honrar os heróis que a levaram ao triunfo, qual seja essa página brilhante da Abolição da escravatura no Brasil, escrita com amor, desvelo e abnegação  pelos nossos maiores,  por essa plêiade de maçons que brilharem em todo o século passado.

Justo é que a Aug. Resp. Subl e Ben. Loja Capitular Regeneração Barbacenense, pela boca de um de seus menores obreiros, embora tardiamente , aproveitando-se  dessa reunião, com  seus fulgores de uma reunião comemorativa , renda justo e merecido preito  de homenagem aos heróis magnânimos que,  não medindo sacrifícios, lutaram sem descanso em  prol da fraternização brasileira, consubstanciada na aurora majestosa e sem igual de 13 de maio de 1888!

Foi a l3 de maio de 1888, meus irmãos, que o abolicionismo triunfou  depois de uma titânica luta de mais de meio século  na qual  os escravos, envelhecidos pelo castigo, sentiram o pulso livre, a vontade, o trabalho e até o pensamento livre.

13 de  maio lei aurea

Toda uma legião de homens cujos direitos estavam delimitados pelo trabalho bruto e pela crueldade dos feitores carrascos, vivendo sob o regime feroz de um código draconiano que decretava a penalidade aviltante do açoite e a tortura degradante ao tronco, senão um martírio supremo da cruz negra, em cujos braços santos se cometia a hedionda profanação do assassinato, plantado no meio do lenho que haveria dentro de pouco, de incendiar-se. Todos esses pobres escravos humildes, com os olhos sempre cheios de lágrimas e com a boca sempre cheia de prece, ou do canto da senzala para se  apartarem da mágoa e do soluço que lhes oprimia o peito, tiveram, nesse dia, a suprema ventura de amar segundo as verdadeiras leis do direito natural.

Ah irmãos meus, o que vos poderei contar dessas emoções! Algumas velhas pretas morreram de alegria quando souberam que eram livres. Também os corações delas, sempre murchos de tristeza, não podiam ter forças para suportar tanta felicidade. Como haveriam de resistir, se até a imaculada presença do afeto maternal os senhores impiedosos ultrajaram, arrancando-lhes da alma e do coração os ternos filhinhos para o tráfico e para a desonra?

Ah, meus amigos, quanta iniquidade, quanta ignomia, quanto vilipêndio sofreram essas criaturas, filhos do mesmo Deus de bondade, nossos irmãos, e cujo crime era terem tido a triste sorte de nascerem com a pele negra!

O grande e inolvidável tribuno Torres Homem, defendendo na câmara vitalícia, o projeto Rio Branco , com a eloquência que lhe era inata, arrebata e vence com sua palavra  cheia de amor, numa invocação sublime, as almas daqueles que , consultando interesses partidários, mesquinhos e vis, esposaram a triste causa da escravatura:

“Ao longe arrancava o tráfico nos sertões africanos, o filho selvagem do gentio, vítima de garras bárbaras,  de que não tínhamos notícias, para o mercado da cana e da lavoura.

“Outro processo não é menos atroz:  Esperam-se a porta da entrada da vida as criaturas novas que apraz à providência enviar a esse mundo e aí são sequestradas para o cativeiro,  embora nascidas no mesmo solo junto ao lar da família em frente ao templo do mesmo Deus, e no meio dos espetáculos da liberdade, que tornam mais sensíveis a sua degradação e miséria.”

“ Oh senhores, continua Torres Homem, a pirataria exercida à roda dos berços, nas águas da jurisdição divina e debaixo das vistas imediatas de um povo cristão”.

“Oh céus! Quanto horror!  Onde vegetavas tu,  Oh Caridade Excelsa!  Oh meigo filho do grande  rabino da  Galileia,  que não amparavas esses míseros estigmatizados pela cor maldita! Ah,  estavas banido dos  empedernidos  corações dos homens sem fé, obcecados pelo egoísmo, pela usura, pela grandeza e pelo orgulho… Felizmente deram-te guarida algumas almas  educadas na escola salutar da maçonaria e nelas pudestes realizar a grande missão da confraternização dos homens, escrevendo pelas mãos dos pedreiros livres a grandiosa, estupenda e cegante  página de nossa História Pátria: A abolição da escravatura no Brasil, em 13 de maio de 1888.

Ave Excelsa Ordem Maçônica!  Teus ideais, os mais nobres,  que são os ideais de teus filhos diletos, têm sido realizados! Estamos satisfeitos porque sempre vencemos: pelo direito e pela razão.

Ave heróis passados, mártires das grandiosas causas nobres!

Nossa mãe comum, a Maçonaria, reconhecida não se cansa de procurar nossos frutos sublimes e, em cada etapa que transcorre, ela faz colocar no meio  de nossa fronte a coroa de louros imarcescíveis  de nossa admiração e respeito.  Estamos satisfeitos… Basta!

A maçonaria foi é e será força gigantesca que amplia os domínios da liberdade, que alia a fé à razão, que confraterniza classes, nivelando todos os homens.

É a mão caridosa que ampara a viúva, socorrendo-a no momento intraduzível em que o marido, rodeado de seus filhos, tomba varado por uma bala covarde, em meio de uma estrada silenciosa; é o gênio do bem quebrando os grilhões da escravidão do corpo e da alma, espantando as trevas da ignorância com o facho da instrução.

Ela é o apelo veemente, vivíssimo, que levanta,  conclamando os homens para a grandiosa obra da divulgação da ciência , amparando os  ginásios para que a sua luz se eternize e se transforme em felicidade eterna para a humanidade.  Tenho concluído…

Barbacena –Minas Gerais..

 Cópia da fala do maçom  Plínio Gomes da Silva, Orador da Centenária Loja Maçônica Regeneração Barbacenense.

Estudo e reprodução, com a grafia atual , efetuados pelo irmão

Geraldo Ribeiro da Fonseca, membro do quadro da Loja referenciada.

 

 

Idinando Borges
maio 13, 2018

Turismo, Santos – SP

 1200px-Casa_do_Trem_Bélico_2017_008A Casa do Trem Bélico é a única edificação colonial-militar do gênero, no país, com as características setecentistas portuguesas originais e o mais antigo prédio público da cidade.
 
Construída entre 1640 e 1656 para ser depósito de trem-de-guerra – isto é, munições, armas e equipamentos para proteção da então Vila de Santos contra ataques de índios e piratas -, a Casa do Trem Bélico é a sede do Circuito Turístico dos Fortes.
 
 
Degraus
Com 21 degraus de altura e profundidade diferentes, a escadaria externa foi construída de forma a dificultar o acesso de invasores ao prédio, já que o ingresso ao pavimento superior dava-se somente por ela. As desigualdades faziam com que os eventuais salteadores perdessem o equilíbrio e caíssem da escadaria, caso tentassem subir correndo.
 
Arquitetura antiga
O edifício mantém a mesma arquitetura desde 1738. Os batentes em pedra são da época da construção (meados do século 17) e as paredes, com 90 a 95 centímetros de espessura, foram feitas com uma mistura de pedra, cal de sambaqui e óleo de baleia. O telhado, com tribeira (três camadas de telhas), demonstrava poder máximo.
 
 
Técnica portuguesa
O piso do 1º andar é original, confeccionado com madeira de árvores da região e instalado obedecendo à técnica portuguesa de encaixe, sem parafusos, pregos ou uso de cola.
 
 
 
Linha do tempo
Na sala principal do térreo, um grande painel horizontal mostra, em três faixas de uma Linha do Tempo, os principais acontecimentos no período de 1490 a 1822 no mundo, em Portugal, no Brasil e em São Paulo.
 
Sala dos Fortes
A Sala dos Fortes mostra como a região é rica em construções militares. Nela encontra-se o primeiro forte construído no Brasil – o de São João, em Bertioga (1532) – e o último, o dos Andradas, em Guarujá (1942).
 
 
 
Salão Maria Inah Rangel
Espaço para exposições temporárias, o Salão Maria Inah Rangel, no 1º andar, possui ‘namoradeiras’ junto às janelas, em pedra original da construção. É a única sala que conta com janelas com vistas para o mar e para os morros, vigiados noite e dia, à época, por sentinelas. A sala homenageia a restauradora e artista plástica santista, que teve atuação relevante na recuperação do patrimônio artístico, histórico e arquitetônico de Santos. Responsável pela conservação e restauração do acervo de arte do Paço Municipal, ela morreu em 2009, aos 55 anos.
 
História
Patrimônio nacional desde 1940, a Casa do Trem Bélico já funcionou como Tiro de Guerra, escola, seção de alistamento eleitoral, Serviço de Subsistência do Exército e Centro da Juventude. Em 2009, a edificação foi restaurada e modernizada.
Idinando Borges
maio 10, 2018

Escândalo do Metrô por Roberto Andrés

 image
PUBLICADO EM 10/05/18 – 03h00

Amanhã vai ser outro dia no metrô de BH. Só que para pior. Hoje a passagem custa R$1,80 e dentro de poucas horas passará a R$3,40. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), ligada ao Ministério das Cidades, anunciou o aumento escandaloso, de 88%, esta semana.

Nas grandes manifestações de 2013, disparadas contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo, apareceu o lugar-comum de que “não era só por vinte centavos”. Há um sentido correto nessa afirmação: o aumento da tarifa impacta a vida de todas as pessoas que moram na cidade, de maneiras às vezes insuspeitas.

O caso do metrô de BH ilustra bem esse ponto. Nos últimos anos a tarifa do metrô foi congelada, enquanto a dos ônibus subiu acima da inflação. O resultado foi que, na década entre 2002 e 2012, os ônibus em BH perderam 17% de seus usuários, enquanto a utilização do metrô cresceu 169%.

Esses dados são apresentados no excelente livro O Ônibus, a cidade e a luta, do economista André Veloso. Entre as pessoas mais pobres, a diferença é ainda mais acentuada: na mesma década, os ônibus perderam 19% e o metrô cresceu em inacreditáveis 435% na faixa de renda mais baixa.

Esse número é enorme, na contramão do período que foi marcado por grande migração para automóveis e motocicletas. Como o metrô de BH não construiu nenhuma nova estação recentemente, o que gerou aumento tão grande de usuários?

É a tarifa, cara pálida! Congelada por anos, a passagem foi se tornando uma alternativa cada vez melhor. Com a escalada das tarifas de ônibus, o metrô foi ganhando força, mesmo em situações que se precisa completar o trajeto a pé.

Por isso esse aumento é violento: ele vai excluir do deslocamento urbano as pessoas mais vulneráveis, para quem a tarifa mais pesa. Mas o aumento é também ineficiente: ele vai expulsar usuários do metrô, gerando um alto custo para toda a cidade.

É importante ter em conta que a maneira como cada pessoa se desloca na cidade produz impactos em todos, em tempo no trânsito, acidentes e poluição. Automóveis e motocicletas geram os maiores impactos, enquanto ônibus geram poucos e metrô, quase nenhum.

O problema é que os modos de deslocamento mais impactantes foram os que mais cresceram nas cidades brasileiras. A frota de automóveis dobrou em dez anos e a de motocicletas cresceu ainda mais. Na mesma direção, para o alto, foram os impactos, de modo que acidentes e poluição do ar matam hoje no Brasil em números de guerra civil.

calculadora de custo de viagem é uma ferramenta desenvolvida no Canadá, que compara os custos individuais (dinheiro gasto, tempo, riscos de acidentes) e custos sociais (poluição, acidentes, trânsito na sociedade) dos deslocamentos urbanos. Segundo a ferramenta, para cada viagem em automóvel que custa R$1,00 para o indivíduo, onera-se a sociedade em R$9, enquanto em ônibus esse ônus é de somente R$1,50 (a ferramenta não faz o cálculo para metrô, que gera menor ônus).

Imagine agora o enorme custo social que será gerado por esse aumento nas tarifas de metrô, em BH e outras capitais brasileiras, visto que uma parte das pessoas deixará de se deslocar e outra passará a utilizar carro ou motocicleta, que geram grandes impactos.

Além de tudo isso, não custa lembrar que no ano de 2016 a arrecadação do metrô de BH foi de R$97 milhões enquanto o custeio, pela CBTU, foi de R$87,8 milhões. Sim, o metrô de BH é superavitário, o que só ocorreu porque a tarifa baixa atraiu usuários, aumentando a arrecadação pelo número de passageiros.

Esse aumento violento, ineficiente e despropositado é realizado por um governo cujo presidente tomou o poder por vias duvidosas, tendo conspirado contra sua companheira de chapa e passado a adotar medidas que não seriam aprovadas nas urnas.

Quais candidatos a presidência se propõem a rever esse aumento e retomar uma política consequente na tarifa dos metrôs?

Muita gente está indignada com o aumento. Uma ação foi protocolada no Ministério Público e há um protesto marcado para sexta-feira, 11, as 18h na Praça Sete. Divulgar e ir ao protesto é de grande importância. É a vida que será afetada, principalmente a dos mais pobres, mas também a daqueles que nunca colocaram os pés no transporte coletivo urbano.

 

Marcio Cleber
maio 8, 2018

Barbacena se prepara para seu IV Encontro de Violeiros e Sanfoneiros

Falar em música sertaneja de raiz, é falar de moda de viola e lembrar de grandes nomes que levaram esse estilo para todo o país. É esta moda de viola que vai invadir Barbacena nos dias 8, 9 e 10 de junho, com a realização do IV Encontro de Violeiros e Sanfoneiros de Barbacena.  O palco de mais este grande evento, que já faz parte do calendário de festas do município, será o Campo do Grêmio, na Colônia Rodrigo Silva. Um passado-presente que encanta a todas as gerações e arrasta grandes multidões.

encontro de violeiros 5

Na produção cultural é de Vandeir Antunes, um dos criadores do Encontro de Violeiros e que com este trabalho, revelou diversos cantores que viviam no silêncio do seu anonimato e que passaram a ter a carreira artística como uma profissão. Na realização do evento está a União Comunitária de Barbacena – UCB, o Grêmio Recreativo Rodrigo Silva e a Associação dos Moradores do Bairro Roman – AMBRA, contando com o apoio da Prefeitura Municipal de Barbacena

Serão mais de trinta atrações musicais vindas de diversas cidades. O encontro de Violeiros inicia-se no dia 8, com a celebração de uma missa sertaneja campal às 19h, que será precedida por padre Vanderli, da Paróquia de Nossa Senhora da Assunção, de Barbacena; com a participação da dupla Johnny M. & Maurinho na animação musical. Logo após sobe ao placo para começar a aquecer a noite o Grupo Amigos de Davi. A abertura oficial será às 20h20, com a presença da comissão organizadora, autoridades e patrocinadores.

A programação continua com o show de Chico Almeida e na sequência, Vinícius Freitas Sanfoneiro, Grupo Recordação, Johny Marcos & Maurinho, e, como última atração da noite, Forro Xote Vuco Vuco. O Encontro de Violeiros e Sanfoneiros, no sábado, dia 9, inicia suas atividades mais cedo, às 16h, com a Festa Junina da Escola Estadual Gabriela Ribeiro Andrada. Uma novidade da edição deste ano será o desfile para eleger a Rainha dos Violeiros que acontecerá às 18h. Muita música também vai embalar a noite com Ricardo & Rodrigo, Leandro & Toninho, Maycon & Diego, a tradicional Orquestra de Violeiros Arpejo, Caffé Viola, o grande show de Leo Montes & Miguel e o Forró Melodia do Som.

A 4ª Cavalgada Amigos da Viola inicia a programação do domingo, dia 10. A concentração será às 9h, no Carlinhos, próximo ao Parque de Exposição, e sairá às 11h30, e a chegada na Colônia Rodrigo Silva está marcada para as 12h30. As apresentações artísticas começam às 14h com o cantor Vicente Souza. Logo em seguinte, Markoni Violeiros, Zé do Laço & Goianita, Letícia Coimbra Sanfoneira, Sabrina Matos Violeira, do pequeno Pietro Rios, Jéssica Martim & Isabelle Silva, Romano Pantaneiro, Donizett Camargo e João Hélio 3 em 1 Forró.

Um pouco da trajetória do Encontro de violeiros

O Encontro de Violeiros em apenas quatro anos de circuito transformou-se em uma fábrica de descoberta e divulgação de talentos. Com o lema ‘dar palco a quem não tem palco´ para os artistas anônimos e amadores, visando manter viva as músicas de raiz do universo sertanejo em um verdadeiro resgate de canções que agrada a todas as gerações. Surgiu da sugestão de um ouvinte (João Carlos – cidade de Mercês) do programa de rádio do Vandeir Antunes, na cidade Paiva.  “Então, resolvemos criar o Encontro de Violeiros nos inspiramos em encontros realizados no Triângulo Mineiro, do centro Oeste do Brasil, da região de Goiás”, pontuou Vandeir.

A primeira edição aconteceu na cidade Paiva, em apenas uma noite, no dia 14 de fevereiro de 2014. Nestes quatro anos de circuito esteve em 15 cidades sendo que em alguma delas aconteceram por três vezes, mas a cidade recordista é Tabuleiro. Vandeir Antunes, juntamente com João Carlos (cidade de Mercês) foram os criadores do Encontro de Violeiros.

Idinando Borges
maio 7, 2018

Colo de mãe é uma delícia, concorda? O Boticário

??????????

A executiva da Franquia em Barbacena, Fabiana Martins Teixeira

Colo de mãe é uma delícia, concorda? Ele vira o remédio para a primeira desilusão amorosa, o aconchego em dias difíceis, a comemoração pelo novo emprego e todos aqueles momentos especiais que, de alguma forma, ficarão guardados naquela caixinha mágica da memória. O tempo passa, as crianças crescem e por algum tempo esse colo já não é mais tão recorrente – pela falta de tempo ou mesmo pela falta de costume.

Para comemorar o Dia das Mães e resgatar esses momentos especiais, O Boticário convida os filhos a retribuírem todo o carinho e aconchego recebidos da sua mãe, celebrando com presentes que traduzem essas histórias e que também farão parte da memória dela.

As opções de kits, criados especialmente para a data, já estão disponíveis nas lojas de todo o Brasil e com as revendedoras O Boticário. Os destaques são Elysée Nuit, uma fragrância sofisticada e moderna que combina rosas damascenas colhidas antes do amanhecer, momento em que estão mais bonitas e perfumadas, com um toque adocicado de macarron, tradicional doce francês. E Glamour Just Shine, que traz notas de raros cristais de sal, remetendo à luminosidade e frescor da saída, contrastando com a delicada flor de magnólia, e incentiva às mulheres a brilharem onde e como quiserem.

Fonte: Divulgação

Captura de tela 2018-04-09 22.16.52

Marcio Cleber
maio 7, 2018

Empresas aderem ao movimento Maio Amarelo

A Empresa Cidade das Rosas e a Empresa Barraca Turismo que estão totalmente ligadas ao trânsito, aderiram ao movimento Maio Amarelo, se juntado a várias outras entidades do setor público e privado de Barbacena, num amplo trabalho de conscientização e prevenção com relação aos acidentes de trânsito que têm alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Para envolver seus motoristas nesta Campanha, a Cidade das Rosas e a Barraca Turismo promoveram na última semana um ciclo de palestra ministrado por Djalma Nascimento, instrutor do Serviço Social do Transporte – SEST e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte – SENAT, unidade de Juiz de Fora.

Emresas aderem 1

Em sintonia com o SEST/SENAT que está trabalhando neste Maio Amarelo ‘Responsabilidade Civil e Criminal no Trânsito”, foi este o tema da palestra com os funcionários que procurou destacar  para os motoristas a séria responsabilidade de cada um no trânsito, o respeito às regras e às faixas de pedestres, o cuidado que eles devem ter consigo mesmo para poder atuar com mais seriedade no trânsito. Para o motorista da Cidade das Rosas, Daniel de Almeida, as capacitações são de extrema importância, pois ajudam os profissionais a serem cada vez melhores, a estar atualizados. “É fundamental também que a pessoa entenda que é preciso melhorar e todos estas ações que as empresas promovem são para que possamos desenvolver um trabalho com mais segurança e tranquilidade”, pontuou.

Na avaliação de Djalma Nascimento, é importante as empresas estarem presentes nestes movimentos, como o Maio Amarelo, que chama atenção de toda a população para os cuidados no trânsito em geral. “O SEST/SENAT este ano tem como lema no momento ‘Nós somos o trânsito’ e trabalhando nas palestras a responsabilidade civil e criminal, e foi esta reflexão que desenvolvemos com os motoristas da Empresa Cidade das Rosas e a Empresa Barraca Turismo”, destacou.

Importante ressaltar que a Empresa Cidade das Rosas e a Empresa Barraca Turismo têm em sua estrutura de trabalho a capacitação constante durante todo o ano, não só de seus motoristas, mas de todos os funcionários, visando o bem-estar de cada um deles e também oferecer à população um atendimento de total qualidade. Ande de ônibus, é legal e mais seguro.